(FOTO: Antranuk Photos)

EXCLUSIVO – O seguro de vida é um produto que visa proteger o segurado e sua família em caso de invalidez e morte. Para debater este produto e suas novidades, o CVG-SP Limra Day mostrou para os profissionais do setor como se adequar à mudança de comportamento de consumo dos segurados. O evento aconteceu em São Paulo na última sexta feira, no Teatro Renaissance, sendo promovido pelo CVG-SP, em parceria com a Limra e com patrocínio do IRB Brasil Re.

Todos estão conectados às redes sociais, que acabaram alterando e muito a forma conhecida de fazer negócios. “O seguro de vida em um mundo em transformação” foi o assunto da palestra ministrada por Thad Burr, managing director da LL Global, que contou com a mediação de Gustavo Toledo, diretor de Relações com o Mercado da entidade, com a participação de Ronald Kaufmann, country manager da Limra Brasil; e Alexandre Camilo, presidente do Sincor-SP.

Durante o painel, Burr listou algumas tendências para o segmento de seguro de vida: internet e robótica; tecnologia combinada com mobilidade; pobreza e riqueza da população mundial; demografia e saúde; segurança; serviços financeiros e seguros. Sobre as alterações feitas pelo avanço da tecnologia, o executivo afirmou que o maior resultado será a redução de custos, tanto para seguradoras quanto para clientes. “Isso mostra que os negócios existentes serão mudados. Por isso, é dada a importância da adaptação”, disse.

Leia mais: A importância do seguro de vida em 6 abordagens

A respeito da distribuição de seguros, Burr alegou que uma das tendências é a fusão entre este tipo de serviço e as instituições financeiras e o uso das redes sociais para a oferta desses produtos. Para Camilo, “a mudança é necessária e o corretor precisa se adequar se quiser manter-se atuante no mercado”.

Já no segundo painel, Carlos Islas Murguía, representante da Limra no México e América Latina, falou sobre “como as seguradoras e seus profissionais estão se preparando para atuar neste novo horizonte de seguro de vida”. O debate teve a participação de Bernado Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência; Alessandra Monteiro, diretora de Vida e Longevidade do IRB-Brasil RE; com a mediação de Silas Kasahaya, presidente do CVG-SP.

Durante a palestra, o executivo relembrou que a função do corretor de seguros está se transformando e que o mais importante é a relação de confiança instituída com o cliente. Segundo Murguía, é fundamental que o profissional atue também como um consultor financeiro, oferecendo outros produtos que atendam as necessidades do cliente além do seguro de vida.

Murguía também falou sobre uma pesquisa da Accenture, realizada em 2017, que revela a propensão do consumidor em ser atendido por um robô para gerir as suas finanças. Quando a questão é a aquisição de seguros, 74% dos consumidores concordaram com o atendimento feito por uma máquina.

Portanto, o executivo afirmou que o mais importante para o corretor de seguros é o relacionamento com os clientes e o público de interesse. O estudo também mostrou que as pessoas estão mais confiantes em relação às compras online, visto que 39% responderam que aceitam contatar um corretor pelas mídias sociais. “Por isso, as redes não são mais uma opção, mas sim ferramentas básicas para conquistar e fidelizar o cliente”, ressaltou.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta