Em 2018, o Seguro DPVAT indenizou 11.996 vítimas de ocorrências com caminhões e pick-ups em todo o país. Deste total, mais de três mil benefícios foram pagos em casos de morte, de acordo com o Relatório Anual da Seguradora Líder.

Segundo o Ministério da Saúde, quando analisados os acidentes de trânsito relacionados ao trabalho, os caminhoneiros são os que mais vão a óbito em atividade. Os motoristas de caminhão corresponderam a 13,2% das 16.568 mortes computadas no período de 2007 a 2016. Os dados do Seguro DPVAT mostram que, em 2018, foram 4.587 indenizações pagas a motoristas de caminhões, sendo 1.656 vítimas fatais. Outros 1.928 (42%) ficaram com algum tipo de invalidez permanente.

Leia mais: DPVAT: 70% dos acidentes indenizados causaram invalidez permanente

Os números da Polícia Rodoviária Federal também reforçam o cenário preocupante: 57% das mortes registradas (3.034 do total de 5.269), no ano passado, nas estradas e rodovias brasileiras, foram causadas por ocorrências com caminhões. A maioria dos casos ocorreu por falha humana, desde cansaço e falta de atenção até descumprimento das leis de trânsito.

Entre os estados, Minas Gerais foi o que registrou o maior número de pagamentos do seguro por acidentes envolvendo caminhões, somando 16% (1.944) do total de sinistros pagos no país. São Paulo aparece em segundo lugar, com 1.579 indenizações, seguido por Paraná (1.087), Rio Grande do Sul (893) e Santa Catarina (888). Para o coordenador do SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto, a liderança do estado mineiro está relacionada à quantidade de rodovias localizadas na região. No estado, são 272.062,90 km de rodovias. Deste total, 9.205 km são de rodovias federais.

“Minas tem a maior malha pavimentada e a maior malha rodoviária federal do país. Já São Paulo, apesar de ter uma malha rodoviária muito grande, a maioria é estadual. As rodovias do Sul têm malhas importantes, mas acima de tudo, são malhas com muito volume de tráfego de caminhões”, afirma Rizzotto.

N.F.
Revista Apólice

Deixe uma resposta