O Brasil passou os últimos anos praticamente em recessão. Muitos setores foram prejudicados com decréscimo de suas atividades. Diante dos desafios econômicos, a Qualinvest decidiu investir. “Acredito que digitalizar operações e criar facilidades online aos usuários seja a maior tendência da última década, independente do ramo de atuação profissional. Quem ficar de fora desse conceito, ficará fora do mercado”, avalia Márcio Chaves, presidente da companhia.

A empresa dedicou atenção ao setor de transportes. Entre as novidades, um app mostra aos frotistas de ônibus uma visão detalhada e inteligente de sua sinistralidade. O Qualinvest Inteligência em Sinistro é um aplicativo de gestão, controle de dados e tomadas de decisão. “Inicialmente será disponibilizado para a nossa carteira de clientes que detém apólice vigente conosco. Futuramente temos o projeto de comercializá-lo, via assinatura mensal para aquelas empresas que queiram apenas imputar seus dados e gerir informações sob o know-how de 20 anos que administramos sinistro de transportes de passageiros”, afirma o executivo.

Leia mais sobre: A união da tecnologia e a experiência no combate às fraudes de seguros

Para as empresas que adotarem esse novo sistema, existe uma série de vantagens, uma delas é a tomada de decisão baseada em dados reais. “Há maior rapidez e segurança da informação na comunicação de sinistros junto às seguradoras. Criamos dezenas de filtros  que ajudam a mapear os locais da cidade com mais acidentes e horários e dias mais críticos”, reforça Chaves.

“Acredito que digitalizar operações e criar facilidades online aos usuários seja a maior tendência da última década, independente do ramo de atuação profissional. Quem ficar de fora desse conceito, ficará fora do mercado. Queremos descomplicar a vida de nossos clientes oferecendo soluções personalizadas. Esse investimento é retornado através do aumento da nossa base de clientes e principalmente através da fidelização, já que eles não encontram nada semelhante sem grandes custos adicionais como é o nosso caso”, conclui o executivo.

G.R
Revista Apólice

Deixe uma resposta