EXCLUSIVO – É cada vez mais comum, com o surgimento do conceito de sustentabilidade, ver mais pessoas utilizando bicicletas nas ruas. Em grandes metrópoles, novas ciclovias são construídas todos os dias para que a população possa pedalar de maneira segura.

Quando compramos uma bicicleta, seja para passeio, competição ou como meio de transporte para o trabalho, por exemplo, muitas vezes não damos a devida importância para a possibilidade de termos que nos preocupar com imprevistos. Queremos apenas subir na bike, pedalar e chegar ao nosso destino de maneira tranquila.

Uma vantagem do uso da bike é a mobilidade urbana de maneira sustentável. Só na cidade de São Paulo, cada pessoa que troca o carro pelo guidão ajuda a reduzir em até 10% as emissões de dióxido de carbono (CO2). Além disso, há também a economia financeira e de tempo de deslocamento.

Porém, junto com o aumento do uso da bike, o índice de roubo das magrelas também cresceu. Só no 1º trimestre de 2018, em relação ao mesmo período do ano anterior, o número de furtos de bike em São Paulo cresceu 43%, considerando apenas os números oficiais, ou seja, aqueles em que foram registrados boletim de ocorrência.

Segundo Daniel Camargo, property underwriter da Argo Seguros, as vantagens do seguro bike para o consumidor não é apenas o fato de receber de volta o valor do produto em caso de sinistro. “Quem adquire o produto procura a proteção para a bike porque a sua falta faz diferença na sua rotina”, afirma.

É fundamental garantir que sua bicicleta esteja segura, para que em caso de furto, por exemplo, você não acabe saindo no prejuízo. “A chave aqui é conhecer profundamente não apenas as condições gerais e específicas, mas saber como cada seguradora regula o sinistro. Aqui mora o perigo de não ser uma corretora de nicho, voltada para neste tipo de produto”, diz Duilly Cicarini, CEO da Velo Seguro, corretora especializada em seguro bike.

As projeções para o seguro bike em 2019 são animadoras. Mesmo em tempos de crises, especialistas afirmam prever um crescimento do setor.  “Nós temos previsões de alguns parceiros de que haverá um crescimento de 60%, 70% em 2019” apontou Camargo.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Deixe uma resposta