O assunto do dia é a aprovação da reforma previdência. Todos nós devemos nos preocupar com o futuro, seja da nossa aposentadoria, da nossa família ou de nossa empresa. Muitos vivem como se a insegurança do futuro não existisse, não se preocupam em fazer uma poupança, contratar um seguro de vida ou saúde e etc. Se olharmos a nossa volta certamente encontraremos vários exemplos.

Para complicar mais a situação vemos várias empresas que agem desta mesma maneira, são administradas considerando que os imprevistos não existem ou ainda não consideram os riscos.

Salvador Franco

Vejamos o exemplo das cidades de Mariana e Brumadinho onde empresas de grande porte não consideraram os riscos de suas barragens, causando perdas financeiras e de vidas humanas.
Nós, brasileiros, somos considerados otimistas por natureza, e talvez displicentes demais.

• Quando jovens achamos que fazer previdência é coisa de velho ou deixamos de fazer o seguro de vida com a certeza de que não vamos morrer logo ou que não existe a possibilidade de sofrermos qualquer acidente.

• Iniciamos um empreendimento, investimos todo o nosso capital, nosso conhecimento, nosso tempo, porém, muitas vezes não consideramos a possibilidade dos imprevistos.
Estas atitudes tem o nome de “imprevidência”

Fica fácil criticar a grande empresa que construiu o setor administrativo e o refeitório logo abaixo da barragem que se mostrou insegura e causou grande prejuízo e várias mortes. Devemos nos lembrar das nossas atitudes de previdência aos nossos riscos, quando pensamos em família precisamos ter ciência que estamos sujeitos a acidentes, e aos problemas eventuais de saúde.
Cabe ao corretor de seguros analisar juntamente com o seu cliente, seja pessoa física ou pessoa jurídica, seus riscos e suas reais necessidades de proteção.
Se pudermos dar algum conselho, o melhor, sem dúvida será:
procure o corretor de seguros não espere o pior acontecer para se lamentar.

Sobre o autor

Salvador Franco é Fundador da Visafran e especialista em prevenção de perdas e gerenciamento de risco em transportes.

Deixe uma resposta