Contratar um plano de saúde corporativo é essencial para prezar pela disposição e bem-estar dos funcionários. Porém, para uma empresa de pequeno porte, que normalmente possui um orçamento restrito, a decisão requer planejamento e uma análise cuidadosa. A variação de valores pode ser de mais de 40% entre as operadoras, segundo levantamento da Plansul, consultoria que auxilia o pequeno empreendedor a encontrar os melhores preços e benefícios em diferentes contratos.

Na pesquisa foram analisados cinco tipos de planos, do mais básico ao executivo, com base na cidade de São Paulo, para empresas de dois a 99 colaboradores. A maior disparidade foi detectada na categoria básico 3, a qual oferece internação hospitalar em enfermaria, para companhias que possuem de 30 a 99 empregados. A diferença na comparação dos valores é de 40,3%, sendo que o serviço da operadora Bradesco custa R$ 311,15, e o do Grupo NotreDame Intermédica (GNDI), R$ 185,82, com benefícios similares – ambos consultados em março de 2019, para a faixa etária de até 18 anos.

Existe uma gama muito ampla de planos de saúde com redes de atendimento bem parecidas e uma variação grande de preços. É preciso fazer uma análise complexa do que é oferecido, elencando fatores diversos e personalizados, como abrangência, orçamento, necessidades e possibilidades específicas inerentes à atividade de cada empresa”, diz o Artur Maia, diretor Comercial da Plansul.

Na categoria mais popular, a básico 1, o empresário que possui de dois a 29 funcionários pode poupar até 35,7% na hora de contratar o benefício. Já no plano executivo, o índice de economia é menor em porcentagem, mas faz a diferença quando colocado na ponta do lápis. Se o número de colaboradores for de, no mínimo, 30 pessoas, a diferença de valor é de 23,1%, com o serviço da Central Nacional Unimed (CNU) custando R$ 875,73 e o da Porto Seguro R$ 673,35 – dados referenciados com o mesmo público e período citados acima.

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta