Ligia Guerra

O setor de seguros está em constante evolução e, para atender a todas as necessidades dos segurados, é preciso conhecer bem o mercado e se atualizar. O Instituto Superior de Seguros e Benefícios Brasil (ISB Brasil) está atento a esta demanda e criou um fórum permanente de soluções corporativas, que tem como objetivo estudar e buscar soluções para os principais problemas encontrados no mercado de benefícios. O programa será dividido em diferentes comissões, que vão trabalhar diferentes pontos necessários para o crescimento e desenvolvimento do setor.

O anúncio aconteceu no dia 22, durante evento que reuniu mais de 100 participantes associados e profissionais do mercado de seguros. Eles assistiram à palestra “O que as (in)seguranças nos revelam? – Aprendendo a usá-las a nosso favor”, com a psicanalista Lígia Guerra. A palestra é uma das ações do Programa de Inovação e Soluções Corporativas, um dos quatro eixos de atuação do ISB. Os demais eixos são: Pinhão de Ouro, Núcleo de Desenvolvimento de Pesquisas ISB e FAE, e Influencer.

A vice-presidente do ISB, Joceli Pereira, destacou a importância das palestras para a desenvolvimento constante dos associados e anunciou, em primeira mão, que a primeira comissão do Fórum Permanente de Soluções Corporativas trabalhará com a proposta de unificação da relação de documentos em uma regulação de sinistro de morte. “Esta é uma demanda que ainda traz muita dúvida e burocracia para as seguradoras, corretoras e segurados, o consumidor. Quando nos deparamos com a situação de perda de um ente querido, temos que resolver uma série de questões e uma delas é a regulação de sinistro. Estamos acostumados com a papelada, mas um consumidor leigo pode se atrapalhar neste momento de dor”, explicou. O momento foi marcado por muita emoção, pois o pai de Joceli, o Sr. João Eduardo Pereira, que também fazia parte do ramo segurador e do ISB Brasil, e era muito reconhecido no mercado, faleceu dia 19 de fevereiro, e ela vivenciou a experiência de fazer o comunicado de sinistro à seguradora. Para Joceli, esse fator servirá de agente motivador no desenvolvimento do trabalho com ainda mais excelência.

Trabalhando as inseguranças

Lígia ressaltou a importância de conhecer os próprios sentimentos e emoções para transformar as inseguranças em segurança e autoconfiança. Ela mostrou a necessidade de realizar uma disruptura de diversos conceitos que a sociedade construiu, principalmente nas que geram conflito de gerações e impedem o diálogo entre elas. “Somos herdeiros de uma sociedade gerontocrática, onde o poder e o conhecimento vinham das pessoas mais velhas. Hoje isso inverteu, principalmente nas questões referentes à tecnologia. É aí que começam as dúvidas: como vamos vender o nosso produto ou passar segurança para uma geração que cresceu com o valor de poder invertido?”, questionou.

O segredo é trabalhar com as próprias emoções para saber lidar com as diferentes situações e se readaptar às novas realidades: “A sociedade pode evoluir de diferentes formas, mas emoção vai ser sempre emoção, insegurança vai ser sempre insegurança”.

Ligia conversou com os participantes sobre angústias, medos e ansiedade, e como isso interfere no mercado e nas decisões das pessoas e em como elas se relacionam.

Andrea Pedroso, gerente de Sucursal na Previsul Seguradora, acredita que o mercado precisa de cada vez mais ações nesse sentido. “A palestra foi muito proveitosa, acho que realmente precisamos quebrar os paradigmas e, principalmente, nos conhecermos melhor. Essa autovalorização é fundamental para o desenvolvimento pessoal e profissional. O gestor deve levar isso para dentro da empresa e contribuir com a motivação dos colaboradores”, disse.

“Aprendi muito no dia de hoje, principalmente nas questões psicológicas que interferem nas decisões dos clientes, a importância de entender como ele pensa e age, e como tudo isso interfere também numa negociação e venda”, afirmou Anderson Raphael Schultz, diretor da Schultz Assessoria e Corretora de Seguros.

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta