(Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)

“Nesta primeira Carta de Conjuntura do Setor de Seguros do ano vemos a melhoria de mais um importante indicador econômico: o desemprego começou a cair.

Com a estabilidade política e o otimismo das empresas em relação ao Governo Bolsonaro, as expectativas para o setor de seguros em 2019 são as melhores possíveis. Já no fim de 2018, pós-eleições, tivemos a evolução de indicadores como o crescimento do PIB, a redução do câmbio do dólar, e o crescimento da Bolsa de Valores. Geralmente, o último índice a melhorar é o desemprego e, embora ainda esteja considerado alto, já começou a cair. No momento, este é o principal problema econômico e social no País e as consequências do comportamento dessa variável no mercado de seguros são óbvias.

A taxa de desemprego nos últimos três meses, embora de maneira ainda lenta, está em queda. De
2015 até o meio de 2016, a situação foi catastrófica, de um patamar de 10%, passamos a 17% em um ano e meio. Do meio de 2016 até o meio de 2018, apesar da melhora em alguns indicadores econômicos, o desemprego oscilou na faixa de 16 a 18%. Na prática, os números pararam de piorar. Nos últimos três meses de 2018, já antecipando a melhora econômica esperada para 2019, a trajetória ficou em queda. Em novembro de 2018, o número ficou abaixo de 16%, fato que não acontecia desde março de 2016. Os dados ainda estão ruins, mas já é um alento. Para 2019, a expectativa é que essa trajetória seja de queda ainda mais acentuada.

Na próxima Carta de Conjuntura já teremos os resultados de 2018 e poderemos perceber os indícios de melhora nos últimos meses. Para 2019, esta curva de crescimento será ascendente e nós corretores de seguros e Sincor-SP saberemos aproveitar este momento de oportunidades”.

Alexandre Camillo, presidente do Sincor-SP

Veja a Carta de Conjuntura de Janeiro de 2019 completa aqui.

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta