Os resultados financeiros do 3º trimestre de 2018 do Grupo Sura mostraram desempenho operacional positivo para suas subsidiárias. Em particular, durante o terceiro trimestre, houve um efeito cambial negativo no resultado devido à desvalorização do peso colombiano em relação ao dólar.

O lucro líquido acumulado no ano é de 1,1 trilhões de pesos colombianos (US$ 371,9 milhões), um aumento de 0,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. Isto é o resultado de um aumento de 7,7% nos lucros líquidos da Sura Asset Management, para 479,288 milhões de pesos colombianos (US$ 161,3 milhões), e 0,5% para Suramericana, para um total de 394,843 milhões de pesos (US$ 132,8 milhões), e uma recuperação, durante o terceiro trimestre da receita através do método de participação de associados devido à melhoria dos resultados para o Bancolombia e o Grupo Nutresa.

A receita total chegou a 14,5 trilhões de pesos colombianos (US$ 4.480,5 milhões), uma redução de 4,3%, que reflete questões como a decisão de não participar do seguro de pensão na Colômbia, menor receita dos investimentos nas carteiras das subsidiárias e a desvalorização na Argentina. Esses fatores foram parcialmente compensados por receitas mais altas de comissões para o negócio de previdência e pela prestação de serviços de saúde na Colômbia. Enquanto isso, as despesas totais foram de 13,1 trilhões de pesos colombianos (US$ 4,399 milhões), um decréscimo de 4,7. Isso reflete menos reclamações e reservas, controle de despesas administrativas e redução nas despesas com juros.

“Gostaríamos de salientar que continuamos no caminho de acelerar o crescimento rentável com um desempenho positivo da Suramericana e da Sura Asset Management. Ambas as filiais estão crescendo em seus principais segmentos e, ao mesmo tempo, mantêm o foco na eficiência e fazem investimentos para fortalecer suas operações. Os resultados finais são afetados por fatores externos, como menor receita de investimentos, devido à volatilidade do mercado de capitais e ao impacto das taxas de câmbio”, comenta Ricardo Jaramillo, vice-presidente de Finanças Corporativas do Grupo Sura.

A Sura Asset Management (especialista em previdência, poupança e investimento) teve um aumento de 6,6% na receita de comissões em seu negócio de pensão obrigatório, enquanto o negócio da previdência social aumentou em 15,1% em termos comparáveis. Contou com 19,8 milhões de clientes, um aumento anual de 3,6%, enquanto os ativos sob gestão (AUM) representaram 412,8 trilhões de Pesos Colombianos (US$ 138.897 milhões) e cresceram 7,5% em relação a setembro de 2017. Esses números são consistentes com o foco estratégico no fortalecimento da experiência do cliente e os processos relacionados às decisões de poupança e investimento.

Por sua vez, a Suramericana (especializada em gestão de seguros, tendências e riscos) teve aumento de receita, em termos comparáveis, de todos os seus segmentos: geral (8,1%), vida (13%) e saúde (20,5%). Além disso, a taxa de sinistros retidos melhorou, passando de 55,5% para 54,3%, e os resultados técnicos aumentaram para 8,3%, apesar da queda dos prêmios por não participar do seguro de aposentadoria na Colômbia. A companhia continua a ajustar sua carteira de soluções para aumentar a eficiência, controlar as reclamações e aumentar as atividades comerciais em segmentos como pequenas e médias empresas.

Apenas entre julho e setembro, o lucro líquido do Grupo totalizou 413.588 milhões de pesos colombianos (US$ 139,2 milhões), 10,2% inferior ao terceiro trimestre de 2017. A redução é devida ao impacto da diferença na taxa de câmbio, embora estes sejam os maiores lucros líquidos para 2018. Os lucros da Suramericana aumentaram, no terceiro trimestre, 33,2%, enquanto o lucro da SUura AM diminuiu 2,6%, como resultado das diferenças nas taxas de câmbio.

O Grupo encerrou o 3º trimestre deste ano com os ativos por 67,9 trilhões de pesos colombianos (US$ 22,866 milhões), 1,5% inferior a dezembro de 2017; O passivo diminuiu 1,4%, para 42,2 trilhões de Pesos (US$ 14.186 milhões), e o patrimônio diminuiu 1,6%, chegando a 25,8 trilhões de Pesos (US$ 8.681 milhões).

Eventos para o terceiro trimestre

Pelo 8º ano consecutivo, o Grupo faz parte da seleção mundial de empresas que compõem o Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI). Teve a terceira maior pontuação entre as 15 empresas do setor de Serviços Financeiros Diversos e Mercado de Capitais e ainda é a única empresa latino-americana do setor.

A Seguros Sura México, uma afiliada da Suramericana, iniciou a transição ordenada para incorporar o negócio de soluções Life gerenciado pela Sura Asset Management naquele país, após obter a aprovação dos reguladores. A operação faz parte da estratégia de otimizar o portfólio do Grupo para reforçar as oportunidades de crescimento e eficiência em ambas as filiais.

Como parte da transformação digital da Sura Asset Management e do uso de tecnologias exponenciais, a empresa lançou o Protección Smart na Colômbia, uma plataforma de robôs que usa inteligência artificial para projetar um investimento personalizado para aqueles que desejam economizar em fundos privados. Além disso, pode analisar diariamente a estratégia definida e otimizar a combinação de portfólios para atingir as metas do plano de cada poupador.

Um relatório da Morningstar forneceu, no México, a sua maior pontuação para as quatro empresas de investimento especializadas em fundos de aposentadoria (Sociedades de Inversión Especializadas en Fondos para el Retiro – Siefores) administradas pela Afore Sura. Eles foram os únicos naquele país a obter a classificação prata analista Morningstar, a mais alta concedida neste ano, de acordo com o relatório publicado no início de outubro por essa empresa global de pesquisa e gestão de investimentos.

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta