Nordeste – Acontece entre os dias 7 e 9 de novembro, na Costa do Sauípe (BA), o 21º Congresso Internacional Unidas – Caminhos para inovar. O evento contará com a participação de especialistas internacionais, nacionais, gestores de planos de saúde, dirigentes e executivos de instituições públicas e privadas, médicos, enfermeiros, acadêmicos, formadores de opinião e prestadores de serviços. Este ano, 700 congressistas devem acompanhar as palestras.

Entre os nomes de destaque que se apresentarão no Congresso estão o Professor da Harvard Medical School e executivo da Cambridge Health Alliance, Robert Janett; o presidente do Centro Internacional de Longevidade Brasil e integrante da rede global de International Longevity Centers (Global Alliance of ILCs), Alexandre Kalache, e o chefe da unidade de Biotecnologia Biofarmacêutica e Molecular do Instituto de Investigação Médica e Farmacêutica (iMed) e professor de Imunologia e Biotecnologia da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, João Gonçalves.

Os médicos Alexandre Kalache, Joana Abreu e Paula Silva falarão sobre envelhecer com qualidade de vida no painel Viver mais, mas com saúde: os desafios da longevidade no Brasil. Segundo Kalache, serão necessários ao Brasil apenas 18 anos (de 2012 a 2030) para dobrar a população de idosos, de 10% para 20% – o que ocorreu na França ao longo de 145 anos a partir de 1850. “Há nações que conseguem postergar o efeito do envelhecimento atraindo imigrantes, o que não acontecerá aqui”, afirmou em evento recente sobre saúde da revista Exame.

Já as médicas internacionais abordarão o tema envelhecimento tendo Portugal como referência. Elas falarão sobre o serviço de saúde do país e sua evolução ao longo do tempo, focando nas principais áreas de intervenção: prevenção, tratamento e acompanhamento do beneficiário e de sua família até e morte, na visão prática do médico de família. Além disso, trarão as expectativas que se desenham para os próximos anos.

Outro assunto que será debatido é o uso de medicamentos biossimilares no Brasil, tema que ainda causa dúvidas entre médicos e especialistas. Nesse contexto, é fundamental ouvir a experiência de outros países onde este tipo de medicamento é bem estabelecido. Sobre isso, falará o chefe da unidade de biotecnologia, biofarmacêutica e molecular do Instituto de Investigação Médica e Farmacêutica (iMed) e professor de imunologia e biotecnologia da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, João Gonçalves.

Autor de mais de 90 artigos científicos e PhD em doenças infecciosas/imunologia pela Universidade de Harvard (EUA), João relatará os desafios e os impactos do uso de biossimilares na Europa, particularmente, em Portugal. “Os desafios orbitaram na esfera do efeito novidade: do ponto de vista da informação, da experiência de uso na vida real, das maneiras de utilização e da forma como a vigilância – sempre necessária – é enfatizada, ainda mais nos biossimilares”, explica.

Já referente aos impactos, o professor vai apontar dados que mostram a penetração desse tipo de medicamento nos últimos 10 anos na Europa. “Tem sido uma introdução muito forte. Claro, diferente entre os países, mas no geral a atuação é muito elogiada, sobretudo em relação ao acesso maior no tratamento de doenças autoimunes e na área da oncologia”.

Confira a grade de palestras:

07.11 (quarta-feira)

14h às 17h30 Workshops

O desafio de inovar na gestão em saúde (painel digital)

Aluísio Gomes da Silva Junior

Eduardo Maia

Vilma Dias

Mediador: Anderson Mendes (Diretor de Integração UNIDAS)

Temas jurídicos atuais das autogestões

– Elaine Vianna – Excesso de regulação por parte da ANS

– José Luiz Toro da Silva – Gerenciamento de riscos, compliance, governança corporativa e acreditação de operadoras

– Maurício Tesseroli Miot – O nascimento e as limitações do ressarcimento ao SUS

– Welington Luiz Paulo – A importância do terceiro setor no segmento da saúde suplementar e seus reflexos tributários

Iniciativas para redução de custos (cases operadoras)

– Cláudia Trindade e Marcos César Todeschi – Viva Mais! Programa de Saúde Preventiva da Fundação Sanepar

– Roberto Noal – A transformação digital redefinindo a cultura organizacional

– Werner Dalla – Gestão de custos em saúde – Case Abertta Saúde

Inovação para promover a qualidade da rede assistencial e das operadoras de saúde

Daniel Meirelles

Lucia Helena Mendes

Rosangela Catunda e Marília Ehl Barbosa

Mediador: Ricardo Ayache (Diretor Técnico da UNIDAS)

08.11 (quinta-feira)

9h30 às 10h50 Painel 1 – Saúde do trabalhador

– Carlos Ocké Reis – O financiamento da saúde dos trabalhadores

– Henio Braga Junior – Como os trabalhadores com sofrimento psíquico são tratados na saúde suplementar

10h50 às 11h20 Palestra – O futuro da saúde suplementar

Rogério Scarabel

11h50 às 13h10 Palestra – O impacto da incorporação dos biossimilares na Europa e seus principais desafios

João Gonçalves

15h20 às 17h10 Painel 2 – Mudanças nos modelos de remuneração

– Cláudio Queiroz – O papel das lideranças no contexto de mudanças

– Fabricio Campolina – Novos modelos de remuneração em saúde: uma perspectiva ICOS

– Maria de Fátima Andreazzi – Modelos de pagamento de serviços médicos e de saúde

17h40 às 18h10 Palestra – Inovação sustentável e consciente

Paulo do Bem

09.11 (sexta-feira)

11h às 13h Painel – Viver mais, mas com saúde: os desafios da longevidade

Alexandre Kalache

Joana Abreu

Paula Silva

15h10 às 16h10 Palestra – Como o cuidado de saúde primário melhora a performance do sistema

Robert Janett

16h40 às 17h20 Palestra – As peculiaridades da autogestão em saúde e o seu propósito social no Estado Democrático de Direito

Miguel Kfouri Neto

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta