Fenacor 50 anos – É notório que o seguro cumpre um papel importante na nossa sociedade. Viver, ter um negócio ou um bem móvel ou imóvel representa riscos e amenizá-los é a razão da existência do seguro.

Juliana de Aquino Lima

Portugal foi uma das primeiras nações a se aventurar no comércio mercantilista. Os investimentos eram tão grandes quanto os lucros, o que levou à expansão do mundo português com novas rotas marítimas e grande poderio. Era imprescindível a criação de mecanismos de proteção deste comércio em franca expansão. O seguro foi a ferramenta de caráter contributivo e solidário que o mercantilismo necessitava.
Foi então em Portugal que surgiu a figura do escrivão de seguros e, mais tarde, do corretor de seguros, que fazia a ponte para a elaboração de um contrato não abusivo que regulamentava os tratados. Daí deu-se a importância da criação das corretoras de seguros e de profissionais habilitados para tanto.

No Brasil, uma grande força tarefa contribuiu para a fundação em 25 de outubro de 1968 da Fenacor. Sua existência tem papel fundamental nos dias de hoje fazendo a representação política e social da classe, com a missão de garantir a ética e as boas práticas no segmento de corretagem de seguros. É de extrema importância ter um órgão independente que zele pela atividade profissional e dê ainda mais credibilidade ao setor.

Os desafios continuarão a surgir e é papel da Fenacor trabalhar para a evolução do setor. O forte enraizamento ao modelo burocrático frente às novas plataformas digitais se tornou objeto de trabalho da entidade, que defende que a categoria tenha a necessidade de inovar e ousar para acompanhar as demandas do mercado . A integração à era digital é o novo desafio da Federação, que vem atuando fortemente para que não se perca credibilidade e qualidade nos seguros.

Sobre a autora

Juliana de Aquino Lima, prestadora de serviços

Deixe uma resposta