Atualmente, o termo saúde é definido como bem-estar físico, psíquico e social da pessoa. Indo ao encontro desse conceito, o estudo Tendências Globais de Custos de Saúde 2018, realizado pela Aon, aponta que grande parte das doenças poderia ser evitada com medidas de prevenção e adoção de hábitos saudáveis.

Partindo dessas premissas, a empresa, em parceria com a PreviNEO, lança o OnPrev, Programa de Prevenção Oncológica, como parte do Movimento Aon pela Vida. O objetivo é fomentar a conscientização sobre os cinco tipos de câncer mais comuns no Brasil – pulmão, próstata, mama, útero e cólon. Com ações de prevenção e acompanhamento na adesão ao tratamento da doença, tanto de colaboradores da Aon, como de clientes, a iniciativa visa diminuir a sinistralidade e reduzir os custos com os planos de saúde por conta da patologia.

“Acreditamos muito no potencial transformador do programa, que já apresenta números expressivos antes mesmo do seu lançamento oficial. Estamos implementando-o para os nossos 1.800 colaboradores e também em mais cinco grandes clientes de diferentes indústrias, totalizando mais de 50 mil vidas assistidas. A ideia é sempre ressaltar a importância da prevenção e promoção da saúde”, destaca Marcelo Munerato, CEO da Aon Brasil.

Segundo o relatório, o câncer foi a patologia que mais gerou despesas para os planos de saúde em 68% dos 98 países participantes. A proporção de custos do estágio mais avançado, em comparação com o inicial, é 10 vezes maior, além de todo o impacto social, psicológico, econômico e humano. Além disso, com base na gestão de cerca 3 milhões de vidas e nas ferramentas internas, a empresa identificou que as cinco condições que mais contribuíram para afastamento nas companhias brasileiras foram obesidade, saúde mental, causas osteomusculares, doenças crônicas e o câncer.

“Prezar pela qualidade de vida das pessoas está no DNA da Aon. O OnPrev vai ao encontro dessa característica, pois ele deixa de cuidar apenas da doença e passa a olhar para as vidas dos indivíduos e de seus familiares. Os principais resultados almejados são a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer que, em seu estágio inicial, tem grandes possibilidades de cura”, afirma Dra. Silvia Cristina Prinholato, gerente Médica da Aon Brasil.

Segundo dados da Agência Internacional Para Pesquisa do Câncer (IARC), a doença ocasiona 225 mil mortes por ano, sendo 87 mil somente na população economicamente ativa. O levantamento mostra ainda que, entre 2018 e 2019, 1,2 milhão de novos casos devem surgir.

De acordo com a mais recente edição da Pesquisa de Benefícios da Aon, a assistência médica é o benefício com maior prevalência nas empresas, já que 99,8% das companhias pesquisadas oferecem seguro saúde aos seus colaboradores. Entretanto, a falta de sustentabilidade fez com que, entre 2016 e 2017, 70% das companhias redesenhassem seu benefício saúde, já que para cerca de 36% das companhias, a assistência médica representa de 5% a 10% da folha de pagamento.

“A incidência do câncer nas vidas gerenciadas pela Aon é de 0,2%. A estimativa é que o OnPrev diminua em 5,6% a utilização do plano de saúde. Considerando os custos indiretos do adoecimento, é possível chegar à economia de R$ 476.000 anuais para uma empresa com 1.000 vidas seguradas”, conclui Prinholato.

O programa possui quatro pilares. O primeiro é composto por um sistema de diagnóstico online, onde todos preenchem um questionário com informações pessoais. De acordo com as respostas, as pessoas serão divididas em grupos e terão uma comunicação focada com cada perfil. Esse seria o segundo momento.

Na terceira fase, são realizadas abordagens personalizadas para cada indivíduo que tiver risco médio ou alto, com a finalidade de descobrir se existe o risco da doença ou algum tipo de manifestação. Por fim, na quarta etapa, o corpo de profissionais médicos da Aon realiza o acompanhamento caso a caso para adesão completa, se necessário, as medidas de prevenção.

M.S.
Revista Apólice