Informações resultantes da experiência de inspeção e de subscrição de riscos do Grupo BB e Mapfre chamam a atenção para a questão da falta de gerenciamento de riscos de segurança por empresas de pequeno e médio portes. De 12,2 mil inspeções realizadas pela companhia nos últimos três anos, apenas para 32% delas foram emitidas apólices. Os sistemas de proteção automática das empresas foram o ponto mais negligenciado.

A avaliação considerou se todas as áreas de riscos das empresas avaliadas eram protegidas com sistemas automáticos de prevenção e combate a incêndio, se essas proteções e o sistema de pressurização haviam sido instalados e mantidos conforme as normas técnicas e segundo as melhores práticas e, ainda, se havia abastecimento de água adequado e suficiente para os sistemas protecionais instalados.

“Das 10 coberturas mais contratadas nos seguros de riscos industriais, seis correspondem a cerca de 95% dos valores das indenizações de sinistros. Isso quer dizer que medidas preventivas poderiam ser tomadas para reduzir a sinistralidade e, por consequência, trazer melhores taxas para os produtos de seguros”, explica Almir Fernandes, diretor de Riscos Industriais da companhia.

Outra questão levantada pelo executivo é o fato de a operação da seguradora ser retroalimentada com os dados e informações obtidas dos negócios realizados. “Os guias de subscrição de riscos podem ficar mais ou menos restritivos para aceitações que apresentam comportamento incompatível com o apetite de riscos das seguradoras. Para o segurado que não faz uma boa gestão de riscos a colocação do seu seguro torna-se dificultada e mais onerosa”, explica.

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta