A transformação digital global também impacta o mercado de trabalho brasileiro, ainda que tardiamente, de forma avassaladora. E a indústria de seguros não poderia ficar de fora desta transformação, que está diretamente ligada a mudança de mindset em todos os níveis hierárquicos, capacidade de erros e acertos rápidos e contínuos, foco na experiência do usuário para a construção de produtos e modelos de negócios, e a utilização das mais variadas ferramentas tecnológicas existentes no momento, como Blockchain, Iot, Inteligência Artificial, Big Data, entre outras.

Marcelo Torres

Em virtude dessa transformação, surgiram as insurtechs, igual às fintechs. As insurtechs já são um enorme sucesso nos EUA, Europa e Ásia, e agora estão surgindo mais fortes no Brasil e causando muita curiosidade deste mercado de uma forma geral. Mas é sempre muito importante reforçar que, para uma empresa ser considerada uma insurtech, ela deve aportar tecnologia em seu modelo de negócio, de forma que traga valor para os parceiros e para a experiência do usuário final, seja ele pessoa física ou jurídica.

As insurtechs vieram para acelerar a modernização deste setor, ainda com um baixíssimo índice de digitalização e muito burocrático, e assim trazer descentralização, menos fricção, inclusão financeira e mais transparência na comunicação com o usuário final.

No Brasil, a consolidação das empresas de tecnologia para o mercado de seguros ainda é tímido devido a dificuldade de capital intensivo para se manter o empreendimento (ou MVP) de pé no médio ou longo prazo, e também devido ao pouco interesse ou dificuldade das incumbentes em fazer parcerias com elas, ao invés de tentar inovar internamente, que acaba sendo muito custoso e lento, ou até impossível, na maioria das vezes. Mas este crescimento já é um caminho sem volta, principalmente quando se trata de produtos massificados e os tão falados microsseguros.

Em 2017 e 2018 alguns eventos voltados para este ecossistema de insurtech foram realizados com bastante sucesso e a ideia é continuar fomentando o crescimento, visto que ajudam a acelerar a modernização do setor de uma forma geral (seguradoras, corretoras e demais players do setor), e atrair mais investimentos.

Sobre o autor

Marcelo Torres, sócio e co-fundador da Kakau Seguros

Deixe uma resposta