O mês de julho é marcado pelas férias escolares, além da recém-chegada temporada de verão no Hemisfério Norte. Com isso, cidades como Orlando, na Flórida, famosa por ser lar do Walt Disney World Resort – o parque de entretenimento mais visitado do mundo – tornam-se destinos altamente visados por turistas do mundo inteiro, inclusive brasileiros. No entanto, além do passaporte, visto e dólares, há outro item fundamental que muitas vezes acaba sendo negligenciado por não se entender a importância e também na tentativa de cortar custos por conta da alta da moeda norte-americana: o seguro viagem.

Embora ele não seja um item obrigatório para ingressar no país, é importante atentar-se que os Estados Unidos, além de não contarem com um sistema público de saúde, apresenta valores de serviços médicos bastante elevados. Isso significa que, qualquer contratempo, se não contar com a cobertura de um bom seguro viagem, acaba sendo extremamente dispendioso para o viajante.

De acordo com Cícero Barreto, diretor Comercial da Omint, a empresa, por fazer parte de uma rede médica internacional, está preparada para situações especiais. “No caso da alta temporada em Orlando, foram realizados treinamentos, revisões, constante comunicação da rede, análise de contingenciamento e até simulações. Tudo para que, em qualquer situação de acidente pessoal ou enfermidade súbita e aguda, para que o cliente possa se sentir cuidado de perto, mesmo em um local com alta densidade de turistas”, destaca Barreto.

Coberturas do seguro viagem 

Minha bagagem foi extraviada, e agora?

O viajante pode contar com o suporte junto às companhias aéreas para localização da sua bagagem. Além disso, há a cobertura de Compensação por Demora na Localização da Bagagem, que pode reembolsar até R$250 após 24h para suprir necessidades básicas. Em casos de extravio permanente, roubo ou furto qualificado, o capital segurado da cobertura de bagagem pode chegar até R$ 4.750,00.

Passei mal e preciso de um médico ou procedimento de emergência. Recorro a quem? E se eu precisar tomar remédios?

O produto oferece uma estrutura de atendimento que fornece suporte nos cinco continentes. Não importa onde o cliente esteja: ele será atendido em poucos segundos por profissionais no Brasil, que falam até cinco idiomas diferentes para orientação na utilização dos recursos no exterior.

Além disso, há uma equipe médica exclusiva para suporte ao atendimento dos segurados que viajam ao exterior. Médicos do Brasil em contato com profissionais no exterior acompanham os casos mais graves e mantêm as famílias informadas em tempo real.

Para remédios de uso contínuo, é recomendável orientação do seu médico antes da viagem e levar essa medicação do Brasil.

Tive um contratempo com minha família no Brasil e estou sem celular. Como posso entrar em contato com eles?

Por meio do serviço de Transmissão de Mensagens Urgentes, o segurado pode contar com a nossa Central para se comunicar com seus familiares em caso de necessidade. O cliente pode ainda realizar ligações a cobrar pelo Brasil Direto, serviço da Embratel.

Eu não falo inglês e, onde estou, ninguém fala português. Tenho uma emergência médica e preciso de informações. Como fazer?

A Central de Atendimento está disponível em português 24h por dia, sete dias por semana, a fim de prestar todas as orientações necessárias para que o viajante resolva seus contratempos da forma mais conveniente e rápida possível.

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta