O Boletim Econômico Fehoesp, em sua segunda edição, apresenta dados do setor saúde a partir de estatísticas do SUS, Ministério do Trabalho, IBGE, ANS e outras fontes de dados econômicos oficiais, além de pesquisas próprias.

Nesse trimestre, o estudo revela que número de leitos do SUS é de 2,11 por cada mil habitantes, índice inferior às recomendações da OMS. E informa ainda o crescimento tímido dos empregos no setor e o aumento do número de estabelecimentos de saúde, que podem indicar uma fraca recuperação do segmento. Além de destacar que 97% dos serviços de saúde sofrem algum tipo de glosa dos planos de saúde.

Indicadores de leitos por 1.000 habitantes

O levantamento indica que o setor suplementar de saúde possui 3,27 leitos por 1000 habitantes, enquanto no SUS são 2,11 leitos por 1000 habitantes. A média dos países que integram a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é de 3 leitos por 1000 habitantes. Conclusão é que o número de leitos do SUS está abaixo da recomendação da OCDE, enquanto na iniciativa privada houve aumento de leitos por conta da queda de beneficiários dos planos de saúde nos últimos três anos em decorrência da crise e do desemprego (hoje são 47 milhões e 400 mil usuários no País). A Fehoesp alerta que essa distorção entre leitos públicos e privados decorre da falta de uma política pública com maior integração entre os setores público e privado.

Número de leitos no Brasil pelo SUS

O SUS contabilizava, em dezembro de 2017, 303.183 leitos. Em comparação ao ano de 2010, quando o SUS possuía 335.482 leitos, houve fechamento de 32.299 leitos, com queda de 9,6%. O setor privado, em 2010, somava no país 127.674 leitos e, em dezembro, de 2017 esse número subiu para 133.629, com incremento de 5.955 leitos e crescimento de 4,7%.

Número de estabelecimentos de saúde cresceu no primeiro trimestre

O número total de estabelecimentos de saúde no país, somando públicos e privados) é de 316.736 unidades (março 2018), enquanto em dezembro de 2017 eram 312.502.

Houve crescimento de 1,4% no trimestre. O Estado de São Paulo, em dezembro 2017, contabilizava 75.857 estabelecimentos e, em março de 2018, esse número saltou para 76.725, com aumento de 1,1%.

Criação de empregos na saúde

No acumulado de janeiro a março de 2018 houve criação de 22.183 postos de trabalho nas atividades do setor de hospitais, clínicas, laboratórios e demais estabelecimentos de serviços de saúde no Brasil, totalizando o contingente de 2.166.664 trabalhadores.

Entre as atividades, destaca-se a criação de 6.121 vagas na atividade médica ambulatorial e também a geração de 5018 vagas na atividade de atendimento hospitalar.

O Estado de São Paulo representa 33% do total de empregos do setor, com 719.711 trabalhadores, tendo gerado 7.659 vagas no acumulado do ano, com crescimento de 2,8%.

97% dos serviços de saúde sofrem glosas dos planos de saúde

Levantamento feito pela Fehoesp junto a serviços de saúde associados concluiu que 97% dos serviços de saúde conveniados com planos de saúde sofrem glosas nas contas encaminhadas. 72% das contas glosadas são questionadas e reapresentadas e 43% delas conseguem a recuperação dos valores glosados.

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta