O Fórum de Compliance Healthcare debateu, sob a ótica de grandes especialistas do mercado, a direção que a Saúde tomou no campo da ética no Brasil e no mundo. O encontro foi promovido pela Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde (ABIIS), no dia 10 de abril, na sede da consultoria KPMG, em São Paulo.

O evento reuniu executivos das principais entidades que representam a indústria da saúde no Brasil, porta-vozes do Instituto Ethos, da Universidade de São Paulo, do Instituto Não Aceito Corrupção, do Ministério da Transparência, da Anvisa, da ANS, do TCU, da Associação Americana de Tecnologia Médica Avançada (AdvaMed), e da London School of Hygiene and Tropical Medicine. “O compliance precisa ser visto como uma fonte de vantagem competitiva e não como custo”, afirmou o presidente da KPMG no Brasil e América do Sul, Charles Krieck, na abertura do encontro.

Para o professor da Faculdade de Saúde Pública da USP, Gonzalo Vacina Neto, compliance é civilização. “Fazer o certo é não fazer certas coisas. Este tipo de evento é importante para acumular conteúdo. A transformação virá quando mais pessoas estiverem engajadas nesta questão ética”.

Assuntos em pauta

Ao longo do dia, os debates e explanações giraram em torno do que foi feito nos setores públicos e privado, nos últimos três anos; quais são os desafios ainda enfrentados no setor de Dispositivos Médicos; como a remuneração na cadeia de saúde pode interferir nas relações; e como a ética pode trazer soluções.

O diretor executivo da ABIIS, José Márcio Cerqueira, afirmou que as discussões durante o evento foram abertas e francas, bem como que as relações de toda a cadeia produtiva da saúde têm sido, cada vez mais, transparentes. Cerqueira lembrou que o País está vivendo uma época de grandes mudanças, próxima ao caos, no cenário político, mas que não é possível conviver mais com malfeitos. “Queremos deixar um legado para os nossos filhos e viver melhor com sustentabilidade no sistema de saúde. É preciso integração da cadeia para encontrar as soluções e a convergência de valores”, completou.

A consultoria KPMG apresentou os resultados de uma pesquisa realizada com 35 associadas da Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos Para Saúde (Abimed), no primeiro trimestre de 2018, que revelou o nível de maturidade de compliance. Nove eixos foram avaliados: governança e cultura; avaliação de riscos de compliance; pessoas e competências; políticas e procedimentos; comunicação e treinamento; tecnologia e análise de dados; monitoramento e testes; gerenciamento de deficiências e investigação; e reporte.

M.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta