D&O

Você, incorporador, achou que não teria dor de cabeça com aquela obra feita por uma construtora de confiança, mas um ano depois os moradores começam a reclamar de vazamento, rachaduras, quebra de azulejo ou algum outro problema estrutural? Uma das maiores dores de cabeça na vida de qualquer profissional diz respeito aos erros humanos cometidos ao longo de projetos de engenharia, cirurgias e procedimentos médicos e outros inúmeros ramos que envolvem mão de obra.

Criado especialmente para casos que envolvem o trabalho e possíveis comprometimentos, o seguro de Erros e Omissões surge para resguardar construtoras e incorporadoras em casos como esse. Este tipo de seguro é acionado quando erros profissionais acontecem e comprometem a entrega de projetos de construção, tratamento ou cirurgias médicas, dentre outros.

“Um médico ou uma construtora pode cometer erros involuntários, assim como em uma obra podem ocorrer problemas não identificados após a conclusão da mesma e não estarão amparados em tipos de apólices tradicionalmente exigidas, como performance bond e risco de engenharia”, comenta Rafael Accurti, diretor comercial da Atix Seguros.

Afinal, a experiência e a formação não eximem profissionais competentes de cometerem erros e, por isto, pensando nas mais diversas áreas de atuação, o seguro se configurou como excelente alternativa à prevenção de gastos extras e problemas jurídicos. Dentre o público-alvo estão médicos, engenheiros, arquitetos, etc.

A modalidade de seguro de responsabilidade civil profissional é bastante ampla por garantir prejuízos causados a terceiros no exercício da atividade profissional. Além dos exemplos mais frequentes, como a medicina, ele também se destaca na construção, como aconteceu quando a ciclovia, recém-inaugurada no Rio de Janeiro, caiu e vitimou duas pessoas que passavam por lá. Neste caso, erros que ignoraram a força da natureza foram os possíveis motivos do desastre. No ramo da imobiliária em contratos privados e domésticos, a modalidade de seguro também pode auxiliar.

“Despesas com fachadas, piscinas e impermeabilização, são algumas dores de cabeça comumente enfrentadas por incorporadoras após alguns anos da entrega, e caso a origem seja um erro, omissão ou até mesmo negligência da construtora contratada a época, terão sua despesa amparada por este tipo de apólice”, completa Accurti.

Em alguns casos, o contrato de seguro pode ser ainda um atrativo para a contratação de serviços. Por exemplo, noivos precavidos em busca da contratação de fotógrafos para registrar o enlace, podem preferir um profissional que possua o seguro de responsabilidade civil profissional. Em casos de erro na produção das fotos, o casal receberia indenização sem maiores dores de cabeça.

O executivo ainda recomenda que haja uma atenção redobrada em relação à vigência da apólice, importância segurada, franquia e demais cláusulas especiais e particulares que são indispensáveis. Segundo ele, a recomendação de sempre é contar com o apoio e conhecimento do corretor de seguros, seja em grandes obras ou em procedimentos médicos.

Deixe uma resposta