seguro viagem

As viagens nacionais e internacionais invariavelmente apresentam um incremento no mês de julho em função das férias escolares. Além da compra das passagens, reserva de hotéis e programação dos roteiros, o seguro viagem é um item de extrema importância e a sua não contratação pode ser um impeditivo para destinos como Europa e Austrália.

De acordo com dados da Chubb, os prejuízos provocados por despesas médicas para casos sem gravidade em viagens no exterior variam, em média, de US$ 500 a US$ 1.000. Conforme informações da seguradora, os extravios de bagagens, que se encontram entre os sinistros mais frequentes, algumas vezes chegam a US$ 5.000 nas viagens internacionais. “Contudo, o passageiro que adquire o seguro viagem pode ser atendido rapidamente se for vítima desses e outros sinistros em qualquer lugar do mundo. A Chubb, por exemplo, garante um atendimento nas 24 horas do dia e nos 7 dias da semana”, conta Luis Torniero, diretor Comercial de Afinidades da companhia.

Destinos nacionais

Com relação às viagens nacionais, o executivo afirma que os principais riscos são as ocorrências de doenças e acidentes. “Muitas vezes o segurado tem um convênio médico regional, que não atende em outro estado. Se, por exemplo, um morador de São Paulo estiver no Nordeste e necessitar de atendimento médico-hospitalar, o seguro poderá cobrir as despesas e garantir a sua volta para casa”, esclarece.

Existe ainda outro risco frequente nas viagens nacionais que é o cancelamento em decorrência de enfermidades como fratura ou infecção sofrida pelo próprio segurado ou familiar. “Para esses casos, basta solicitar o cancelamento da passagem e a seguradora efetua o pagamento do valor da multa”, afirma Rodrigo Bertuccelli, responsável pela área de Sinistros. Segundo o executivo, os sinistros mais típicos relacionados com viagens de férias são gripes e infecções intestinais.

Benefícios

Conforme a seguradora, o seguro viagem ainda oferece várias outras coberturas tais como assistência odontológica, fisioterapia, despesas com medicamentos prescritos e prorrogação da estadia. Os passageiros podem também contar com um acompanhante em caso de hospitalização, remoção médica, retorno antecipado, retorno de menores, atraso de voo, perda de documentos e traslado em caso de morte, entre outras opções.

A.C.
Revista Apólice

Deixe uma resposta