catástrofe

As perdas seguradas globais referentes às catástrofes naturais na primeira metade de 2017 totalizaram aproximadamente US$ 22 bilhões, com apenas três quartos atribuídos aos EUA, afirma relatório desenvolvido pela corretora mundial AON.

No entanto, esse número é 35% menor do que a média de US$ 34 bilhões doa últimos 10 anos e 12% abaixo da média dos últimos 17 anos, que ficava em US$ 25 bilhões.

Os Estados Unidos teve 76% de suas perdas sustentadas por entidades públicas e privadas de seguros durante a primeira metade de 2017, afirmou o relatório. Europa, Oriente Médio , África e a região da Ásia-pacífico foram responsáveis, cada uma por 10%.

O relatório calcula que 42% das perdas econômicas globais da primeira metade de 2017 foram cobertas por apólices de seguro, acima da média de 32%, especialmente porque a maior parte desses danos aconteceu nos EUA.

Perdas econômicas causadas por desastres naturais durante a primeira metade de 2017 totalizaram cerca de US$ 53 milhões globalmente, 56% menos do que a médica de US$ 122 bilhões da última década e 39% abaixo dos últimos 17 anos.

Consecutivas tempestades severas causaram a maior parte das perdas, sendo responsáveis por US$ 17 bilhões das perdas totais, ou 78%, contra outros US$ 16 bilhões ligados a granizo e tornados. As tempestades causaram ainda perdas econômicas de US$ 26 bilhões – 48% do total.

A mortalidade também caiu na primeira metade deste ano. Desastres naturais causaram 2,782 mortes – o menor índice desde 1986, de acordo com o relatório. As enchentes foram as catástrofes mais fatais, causando ao menos 1806 mortes.

“O impacto financeiro decorrente de catástrofes naturais durante os primeiros seis meses de 2017 podem não ter sido históricos,mas foi o suficiente para levar  desafios para os governantes e a indústria do seguro ao redor do mundo”, afirmou Steve Bowen, diretor de meteorologia da Impact Forecast. “Isso, especialmente para os EUA, depois de sua indústria de seguros ter enfrentado seu segundo semestre mais custoso, após seis meses de danos causados pelo clima”, completou.

Fonte: Business Insurance

A.C.
Revista Apólice

Deixe uma resposta