previdência

Vivemos um momento de muita instabilidade política, mas que guarda certo descolamento da economia. Esta foi uma análise do presidente da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida – Fenaprevi, Edson Franco, em almoço realizado pelo CVG-SP na última segunda-feira (19).

Ele mostrou que os números de 2016 estavam diretamente atrelados à questão da crise econômica. O primeiro trimestre teve uma involução das receitas em relação a igual período do ano anterior, mas que os índices foram recuperados ao longo do ano, até chegar à surpreendente marca de crescimento de 24,15% da captação líquida. “Espelhando o aumento do desemprego, em 2016 houve queda de 100 mil beneficiários em planos coletivos”, explicou Franco.

Ao contrário do que se imaginava, que mais pessoas entraram no sistema em virtude de um impacto psicológico da divulgação da reforma da previdência, o que houve foi um aumento das contribuições dos beneficiários que já estavam no sistema.  “As pessoas que já estavam no sistema e que já eram previdentes tiveram suas convicções reforçadas. Elas entenderam que o gap de proteção era ainda maior e que o nível de cobertura previdenciária pública que teriam já não era mais suficiente e reforçaram o processo de poupança complementar”, enfatizou.

Para 2017, o executivo disse que o mercado espera fechar o ano com níveis parecidos com 2016, entre 20% e 25% de crescimento da captação líquida.”Qualquer número que mostre crescimento acima de 20% ainda é espetacular. Há certa volatilidade no comportamento do consumidor, porque as pessoas estão sem saber direito o que fazer, o que gera um movimento de aversão ao risco e favorece os produtos conservadores, como a previdência complementar”, comemorou Franco.

Fizeram parte da mesa principal, Silas Kasahaya, presidente do CVG-SP, Edson Luís Franco, presidente da FenaPrevi, João Marcelo dos Santos,  presidente da Academia Nacional de Seguros e Previdência (ANSP), Liza Miranda de Souza, diretora da Continental Assessoria, Hélio Opípari Jr., diretor da Padrão Opípari, Francisco Toledo, vice-presidente do CVG-SP, Marcos Kobayashi, diretor do CVG-SP e Marcos Colantonio, presidente da Associação das Empresas de Assessoria e Consultoria de seguros de São Paulo (Aconseg-SP).

O almoço também contou com a presença de algumas personalidades do mercado de seguros, entre eles Fernando Simões, diretor executivo do SindsegSP; Ronny Martins, gerente da Funenseg; José Amélio Souza, mentor do Clube de Corretores de Osasco; Mara Borges Sutto, presidente da União dos Corretores (UCS); Affonso Fausto, presidente da Sociedade Brasileira de Ciências do Seguro e Osmar Bertacini, presidente da Associação Paulista dos Técnicos de Seguro (APTS).

“Com esse evento o CVG-SP da continuidade às ações que sempre fez, consolidando a nossa vocação que é trazer os principais projetos do mercado de seguro de pessoas”, afirma Silas Kasahaya.

 

Kelly Lubiato
Revista Apólice

Deixe uma resposta