roubos

Apesar do desaquecimento no setor de infraestrutura no anos recentes, aumentou a incidência de roubos e furtos de equipamentos em canteiros de obras. Segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep), as indenizações pagas pelas seguradoras por ocorrências nos ramos em que máquinas e equipamentos da área de construção estão seguradas aumentou 162% e passou de R$ R$ 142,2 milhões no primeiro trimestre de 2016 para R$ 374,8 milhões no mesmo período de 2017.

“As ocorrências de roubo e furto representam 25% das indenizações realizadas em todo o ano de 2016, quando as ocorrências tiveram um aumento de 10%. Desse total, 11% foram por conta de roubo e 14% em decorrência de furtos”, ressalta Adailton Dias, diretor de Transportes, Sinistros e Planejamento Estratégico da Sompo Seguros.

Segundo o especialista, os ramos mais afetados por essas ocorrências são pavimentação, terraplanagem e construção civil. Além disso, há várias situações, que incluem desde o desaparecimento do equipamento pela ausência de segurança no local, até golpes como a locação de equipamentos por empresas fantasmas.
Nesse caso, os golpes mais comuns envolvem contratos falsos com e-mails fakes, em que quadrilhas locam equipamentos, na maioria das vezes, se passando por grandes empresas. Os equipamentos mais visados são os da linha amarela (retroescavadeiras, escavadeiras hidráulicas, pás carregadeiras e mini carregadeira, por exemplo).

“Como os equipamentos não têm placas de identificação igual a de veículos, é comum as quadrilhas aplicarem o golpe em uma determinada região e transportar o equipamento para outro Estado para ser vendido com nota fria”, acrescenta Dias.

Se adotados por proprietários da obra ou dos equipamentos, alguns cuidados básico podem contribuir significativamente para evitar roubos e furtos de equipamentos em canteiros de obras.

Identificação: fazer contratos e pesquisas sobre nome do contratante, visitar o contratante e a região da obra, levantar o RGI do terreno de execução da obra e somente após todos os levantamentos e pesquisas, proceder com o envio do equipamento.

Localização do canteiro: é necessário cuidado extra quando a obra é feita em ruas com pouco movimento ou iluminação.

Iluminação: independente da iluminação da rua, o canteiro deve ser bem iluminado para que o vigia possa ter ampla visibilidade do local.

Dispositivos: instalar dispositivos como travas elétricas, bloqueadores de pneus e travas para tampas de combustível dificulta a ação de quadrilhas.

Sem energia: para veículos de grande porte, como retroescavadeiras e pás-carregadeiras, também é recomendado retirar a bateria dos motores.

Localização: instalar rastreadores também é uma medida que aumenta as chances de localizar o equipamento se ocorrer o roubo ou furto.

Portaria: estabelecer regras de controle rigoroso de entrada e saída da obra.

Segurança: instalação de câmeras, sensores e cercas elétricas são uma boa alternativa para prevenir roubos;

Especialistas: contratar empresas de vigilância patrimonial idôneas, que disponibilizam profissionais treinados e serviços de segurança eletrônica, pode ser uma boa opção para reforçar a proteção do local.

L.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta