Ficar desempregado é sempre uma situação complicada, principalmente em tempos de recessão econômica, como o atual. Conhecer os direitos que se tem nesse período é a melhor forma de minimizar os danos causados por uma demissão inesperada e, entre tais direitos, está a possibilidade de continuar com o plano odontológico da empresa após o desligamento.

“As condições são as mesmas em relação ao plano de saúde, ou seja, o titular deve ter pago integralmente ou parcialmente a mensalidade do serviço enquanto esteve vinculado à empresa. Não há um limite mínimo de valor de contribuição e o próprio desconto em folha é válido”, explica Júlio Cesar Felipe, CEO da Caixa Seguradora Odonto.

Felipe ainda destaca que o demitido precisa ter, pelo menos, colaborado com o pagamento por 18 meses para ter o direito de continuar no plano por no mínimo seis meses e o tempo máximo de dois anos, de acordo com o tempo de contribuição. “Também é necessário que a demissão não seja por justa causa ou voluntária”, complementa o executivo.

De acordo com o CEO da Caixa Seguradora Odonto, o benefício é garantido apenas durante o período que o indivíduo estiver desempregado, portanto, ao ser contratado em uma nova empresa, o direito de permanecer no plano do antigo empregador é extinto. “Vale ressaltar que é de responsabilidade da empresa informar ao funcionário que ele tem a opção de ficar no plano odontológico em um prazo de 30 dias, contados a partir da data do comunicado de aviso prévio”.

É válido seguir com o benefício

O CEO da Caixa Seguradora Odonto destaca que até para o ex-funcionário que bancava apenas parte do custo do benefício, a permanência é vantajosa, pois ele pode seguir usufruindo o serviço. “Caso adquirisse um novo plano odontológico, existiria a necessidade do cumprimento da carência. Então, vale continuar com o plano mesmo pagando a mensalidade de forma integral”, pontua.

Legislação

O direito de permanência nos planos de saúde e odontológico empresariais depois da demissão é garantido pelo artigo 30 e 31 da lei nº 9.656, de 1998, que foi regulamentado pela Resolução Normativa nº 279, de 2011, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

4 COMENTÁRIOS

  1. A informação sobre a obrigatoriedade de permanência de 18 meses no plano para ter o direito ao beneficio não está correta, na verdade basta a permanência de apenas 1 mês e o beneficiaria terá o direito de permanência minima de 6 meses conforme legislação em vigor.
    No texto houve um engano de nossa assessoria de imprensa.
    Grato.
    Julio Felipe.

  2. No meu caso aconteceu o seguinte.

    – Colaborei com o plano odontológico por mais de 10 anos.
    – A empresa impôs um novo plano odontológico a todos os funcionários, 19 meses antes do meu desligamento.

    Agora, a empresa alega que tenho direito a apenas 1/3 desses 19 meses, ignorando todas as contribuições feitas para o plano anterior.

Deixe uma resposta