Escolas procuram no seguro educacional solução para inadimplência

De acordo com a última pesquisa do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o desemprego subiu em todas as regiões do país. Na grande São Paulo, 16,8% da população economicamente ativa está desempregada. O seguro educacional garante, entre outras questões, o pagamento de até seis mensalidades caso os responsáveis pelo aluno percam o emprego. Estes dois fatores levaram a um aumento na procura do seguro por escolas, conforme constatou a San Martin Corretora de Seguros.

“Fizemos um levantamento em nossa rede de seguradoras e identificamos um aumento de 87% na procura pelo seguro educacional. A busca vem de escolas, interessadas em reduzir a inadimplência e oferecer um benefício a mais para seus alunos, tornando-as mais competitivas”, conta Caroline Gouvêa Gomes, diretora comercial da corretora.

A preocupação das escolas tem fundamento. O mesmo levantamento realizado pela companhia registrou um aumento de 25% de sinistralidade com relação ao ano anterior, o que significa que mais pessoas precisaram acionar o seguro por conta da perda do emprego.

O produto é contratado pela escola, que oferece o benefício a seus alunos. O pagamento é feito pelo responsável financeiro do aluno, juntamente com a mensalidade, sendo que o custo fica entre 2% e 3% da mesma, dependendo as coberturas contratadas.

“Apesar dos benefícios penas 2% das escolas no país oferecem o seguro. Isto se dá principalmente por não conhecer o produto. O seguro educacional ainda é visto como novidade aqui no Brasil. Trabalhamos para que o conhecimento desta opção chegue a todo território nacional” complementa Caroline.

Além da questão do desemprego, onde a seguradora cobre de três a seis mensalidades, o seguro pode quitar o ano letivo, o ciclo escolar ou todos os ciclos, no caso de morte ou invalidez do responsável financeiro. Transporte, reposição de aulas e reembolso de despesas médicas, voltados para o educando também são itens cobertos no caso de acidente pessoal.

L.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta