14/08/2022

Seguro DPVAT: queda de 11% nas indenizações por morte

Seguro DPVAT_queda nas indenizações por morte

A Seguradora Líder-DPVAT pagou, no primeiro semestre de 2015, 344.425 mil indenizações por acidentes de trânsito no Brasil. Os números mostram uma queda acentuada no número de indenizações pagas por morte (22.395 mil), que reduziram 11% na comparação com o mesmo período do ano passado.

De acordo com o Boletim Estatístico semestral da Seguradora Líder-DPVAT, as indenizações por despesas médicas também reduziram 5% (52.620) no período. Já as indenizações pagas por invalidez permanente continuam na linha de ascensão, com crescimento de 4% no semestre, porém em ritmo mais lento – no primeiro semestre de 2014, a categoria de indenização havia crescido 21%.

Segundo o diretor-presidente da companhia, Ricardo Xavier, a redução do número de indenizações pagas por morte e despesas médicas se deve ao aumento da segurança e da fiscalização. “O Brasil tem um trânsito muito violento, mas o arrefecimento no crescimento do número de indenizações já é um sinal de que as ações para aumentar a segurança dos veículos e da fiscalização estão fazendo efeito, reduzindo as mortes do trânsito e a gravidade dos acidentes. Os esforços precisam também ser direcionados às motocicletas para uma maior proteção dos motoristas e redução das estatísticas de invalidez”, comenta o executivo.

A motocicleta foi o veículo com o maior número de indenizações pagas de janeiro a junho de 2015. Apesar de representar apenas 27% da frota nacional, o veículo concentrou 76% das indenizações: a maior parte delas (82%) corresponde à invalidez permanente e 4% à morte. “Infelizmente, a motocicleta é o veículo que oferece mais risco para os condutores. Colisões simples quase sempre resultam em casos de invalidez permanente”, afirma Xavier.

O Boletim Estatístico revela ainda que as indenizações pagas por morte e invalidez permanente em acidentes com motos chegaram a 225.038 mil no Brasil. Depois dos motociclistas, os passageiros são as segundas maiores vítimas, com 36.376 mil indenizações pagas por morte e invalidez permanente.

A região Nordeste concentrou 41% das indenizações por morte e invalidez permanente por acidentes com motocicletas no período analisado. As motocicletas representam 44% da frota de veículos da região Nordeste, enquanto que no Brasil representam 27%. A região Sudeste concentrou 26%, a Sul 13%, a Norte 11% e a Centro-Oeste 9%.

Perfil das vítimas

De janeiro a junho de 2015, a maior incidência de indenizações pagas foi para vítimas do sexo masculino. A faixa etária mais atingida no período continua sendo de jovens com 18 a 34 anos, representando 52% do total das indenizações pagas, o que corresponde a quase 180 mil indenizações – a população de uma cidade.

Neste período, a maior incidência de vítimas foram os motoristas (63%). Em acidentes fatais, eles representaram 54% das indenizações pagas e em acidentes com sequelas permanentes, 63%, predominando os motociclistas (91%). Os pedestres ficaram em segundo lugar nas indenizações por acidentes fatais no período (27%). Já nos acidentes com invalidez permanente, os passageiros ocuparam essa posição, com 19% das indenizações.

L.S.
Revista Apólice