No último sábado, 8, o Palmeiras fez sua estréia no Campeonato Brasileiro, contra o Atlético Mineiro, e um impasse sobre patrocínio veio à tona. Desde abril de 2013, a seguradora Allianz fechou um acordo de R$ 300 milhões com o clube pelos naming rights da nova Arena. No entanto, pelo contrato de transmissão dos jogos, a CBF determinou que o nome da companhia seguradora fosse coberto durante a partida. O clube só poderia exibir propaganda da seguradora a partir da segunda linha da arquibancada. O problema encontrado foi que a EA Sports, empresa responsável pela operação da partida tanto pela CBF quanto pelo clube, entendeu que todos os locais onde a marca Allianz aparecia deveriam ser cobertos. Depois ficou esclarecido que o que deveria ser coberto eram apenas alguns locais estratégicos que constavam em contratos com a companhia responsável pela transmissão e os demais patrocinadores da disputa.

Na realidade, de acordo com contratos assinados pela CBF, os patrocinadores do campeonato têm prioridade sobre patrocinadores apenas da arena na exposição da sua marca.

A Allianz investe no futebol e, no Brasil, a arena brasileira é o maior investimento da seguradora no País até o momento. Por contrato, a marca Allianz Parque permanecerá por 20 anos, pelo menos, com possibilidade de prorrogar por mais dez. Pelo mundo, a Allianz patrocina outros clubes, como é o caso do Bayern de Munique, e não encontra grandes problemas. O mercado esportivo europeu é mais desenvolvido e aposta mais em patrocínio do que o mercado brasileiro, mas a Allianz aparenta não ter se abalado pelo acontecimento e entendido que o investimento em longo prazo poderá ser lucrativo e passar por cima das burocracias existentes hoje no País.

Procurada pela Revista Apólice, a companhia, em nota oficial, informou:

“A Allianz Seguros entende que o episódio ocorrido durante o jogo Palmeiras e Atlético-MG, no último sábado, faz parte de um processo de amadurecimento do mercado brasileiro sobre os naming rights em arenas. Em países da Europa e nos Estados Unidos, onde nomear arenas já é algo comum, não ocorre mais esse tipo de questão, mas, no início, os patrocinadores passaram por situações similares às do último sábado. O Allianz Parque é um investimento de longo prazo e de sucesso para a companhia.”

Amanda Cruz
Revista Apólice

Deixe uma resposta