carro-desmontado 1

A Renova Ecopeças, empresa do Grupo Porto Seguro, participa da 12ª edição da Automec – Feira Internacional de Autopeças, Equipamentos e Serviços. No evento, que começa amanhã (7) e vai até o próximo dia 11, a companhia vai abordar a desmontagem de carros, com foco no reaproveitamento de peças e na destinação correta dos veículos em final de vida útil.

A participação da Renova acontece em duas frentes: no estande, com a exposição do modelo de reciclagem da Renova e integração ao sistema SOMA, e na Oficina Modelo, ambiente onde haverá o funcionamento real de uma oficina, com a disponibilização de dois carros para apresentação do trabalho de desmontagem e reaproveitamento de peças.

“Haverá um carro colidido, do qual serão retiradas as peças usadas em bom estado, e um outro carro intacto, que receberá peças de reuso, com um técnico da Renova fazendo esta demonstração”, explica o diretor da empresa, Bruno Garfinkel.

Reaproveitamento de peças e reciclagem automotiva

O modelo de operação da Renova inicia-se a partir da descontaminação dos carros e a retirada dos gases, sobras de combustível, óleos, líquido de arrefecimento e outros fluídos. Esse material é enviado para reciclagem, coletado por empresas especializadas, e reaproveitado em diversos segmentos e aplicações. A próxima etapa ocorre a desmontagem do automóvel, com a retirada das peças móveis de lataria, do motor, itens de segurança e demais componentes como rodas e pneus, tapeçaria, vidros, e finalmente, o recorte do monobloco.

Todas as peças são submetidas a uma triagem para classificação quanto à qualidade e condição de reaproveitamento. As peças são qualificadas em três categorias: A (em perfeito estado) e B (com pequenas avarias) recebem uma etiqueta que garante sua procedência, rastreabilidade e histórico, e então são comercializadas no balcão de vendas Renova, tele atendimento ou pelo e-commerce. Peças muito avariadas ou consideradas itens de segurança são classificadas na categoria C, essas peças são encaminhadas ao fabricante ou vendidas como sucata para serem processadas e transformadas em matéria prima. Todas elas recebem um selo de qualidade e são vendidas com documento fiscal eletrônico (NFe).

L.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta