A educação financeira é assunto de extrema importância, especialmente no Brasil, onde a chamada nova classe C atinge um poder de consumo que não possuía e deve estar atenta com seus gastos e, principalmente, com sua poupança.
Para discutir esse tema, a CNseg juntamente com outras entidades, promoveu a 4ª Conferência de Proteção ao Consumidor de Seguros, ocorrido no último dia 06 de maio no Caesar Business, em São Paulo. Executivos do setor discutiram a importância do planejamento financeiro tanto no âmbito individual, para que as pessoas cuidem melhor de suas finanças, mas também como essas decisões de consumo podem afetar a economia de forma ampla. A educação securitária é uma das chaves. Solange Beatriz, diretora da CNseg, relembrou os preceitos do setor: “É preciso compreender o seguro. Manter e gerar riquezas, mutualismo, boa fé, franquia. Confiança é a alma, visceralmente ligada à transparência”
Eduardo Gianetti, economista, abriu o evento com a palestra “O valor do amanhã”, explicando que deve haver equilíbrio entre os gastos e a poupança. “O problema está nos excessos”, explicou.
Roberto Westenberger, superintendente da Susep, participou do segundo painel, juntamente com Osvaldo do Nascimento, presidente da Fenaprevi e Carla Figueiredo Soares, especialista em Regulação de Saúde Suplementar, da ANS. Os palestrantes expuseram suas preocupações e expectativas para cada setor. Susep e ANS visam contribuir para proteção do cliente, mas também para a manutenção do mercado.
No dia 07 o evento contou com a presença do jurista Fabio Feldman, com a reflexão sobre que tipo de desenvolvimento a sociedade deseja. Logo depois, Silas Rivelle Junior, presidente da comissão de ouvidoria da CNseg, fez a demonstração dos dados gerados pelas ouvidorias e de como essa interação pode melhorar o serviço que é oferecido pelo mercado. Encerrando os painéis da manhã, Vitor Morais de Andrade, presidente da Associação Brasileira das Relações Empresa Cliente (ABRAREC), apresentou o Guia de Acesso do Consumidor, publicação que visa explicar para o cliente como funcionam as ouvidorias e quais são os seus direitos perante o mercado.

Revista Apólice

Deixe uma resposta