O novo cenário das avarias marítimas no Brasil e no mundo é destaque durante o evento “O Seguro Marítimo no Século XXI – Regulação de Avarias Marítimas”, que será realizado pela Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg) nesta quinta-feira, 15 de maio, em São Paulo. O encontro, em parceria com o Sindicato das Seguradoras e a Associação Internacional de Direito do Seguro (AIDA), reunirá cerca de 150 pessoas, entre advogados e representantes do mercado de seguros, resseguros, corretoras e corretores de seguro.
O palestrante, o ex-comandante e árbitro regulador de avarias Rucemah Leonardo Pereira abordará as novas tendências da pirataria de navios no mundo, além dos casos históricos de navios naufragados, como o Costa Concórdia, que naufragou em 2012, o Mol, que em 2013 se partiu em dois próximo a Mumbai, na Índia, além do sequestro do Maersk Alabama, atacado por piratas em 2009.
O presidente da comissão de seguro de transportes da FenSeg, Paulo Robson Alves, que fará a abertura do evento, destacou que o debate vem somar com as práticas atuais do mercado brasileiro, mas ressalta que há muito o que ser atualizado. “Os riscos mudaram e os conceitos de análise de risco não mudaram. O mercado segurador deve dar um próximo passo e incluir em seus debates temas como pirataria e colisão de navios”, explica.
Hoje, segundo o executivo, as importações marítimas têm baixa sinistralidade: cerca de 30%. Segundo ele, o Brasil vive um momento diferenciado, já que há maior investimento nos portos e um alto volume de cargas vindo para o país por conta dos grandes eventos. “A expectativa é que haja uma maior eficiência dos portos, o que faz com que os custos caiam, tornando o Brasil um lugar atrativo para aportar mercadorias”, destaca.

T.C.
Revista Apólice

 

Deixe uma resposta