As novas medidas para o funcionamento do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) anunciadas pelo Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural (CGSR) foram recebidas com otimismo pelas seguradoras e resseguradoras que atuam no setor.
A decisão do governo de conceder o mesmo limite de aplicação para todas as seguradoras é um dos pontos que mais deve estimular o segmento. Até agora, os valores eram definidos de acordo com o desempenho de anos anteriores, o que desestimulava novas empresas a entrar no mercado. Com a mudança, o desempenho das seguradoras será revisto todos os meses e caso uma empresa não use toda a sua margem, o valor será repassado para as concorrentes.
“Com cotas iguais para as seguradoras a concorrência ficará ainda mais acirrada e a oferta de produtos mais qualificados será um grande diferencial”, analisa Bruno Valentim, head de Agronegócios da Austral Re, que possui cerca de 15% de participação de mercado no setor de seguro rural.
O pacote de mudanças inclui ainda a definição da distribuição de limites por cultura – 25% irão para soja, 10% para milho verão, 20% para milho inverno, 10% para uva, 15% para trigo, 10% para maçã e 10% para outras culturas. Para ele, além de mais transparência, a divulgação prévia dos percentuais e do montante de subvenção vai favorecer o planejamento das seguradoras e pode refletir em uma redução de custos no longo prazo.
Para o executivo, as mudanças são um passo importante na direção correta, mas ainda é preciso investir em uma estratégia nacional. “São necessárias políticas de longo prazo para subsídio do prêmio do seguro rural, capacitação de novos profissionais e estímulo à concorrência”, conclui.

A.C.
Revista Apólice

Deixe uma resposta