Desde a joint venture com da Mapfre com o Banco do Brasil, em 2011, o Grupo é o primeiro do ranking nos ramos em que atua, com 17% de participação no mercado e crescimento de R$ 2,4 bilhões (23,5%) em 2013. “A cada ano temos um volume de negócios com crescimento significativo”, diz Carlos Landim, diretor de controladoria, completando que a empresa cresceu 5% acima da taxa de mercado, em relação a igual período de 2012. O market share da empresa subiu para 17%, em seguro de automóvel e 20,1% em produtos de vida. O índice combinado da empresa fechou na casa dos 89%. “Observamos que nosso nível de eficiência frente ao mercado é bastante interessante. O resultado financeiro menor, na casa de 6,1% mostra mais eficiência no resultado operacional”, destacou Landim.
O volume de prêmios arrecadado foi de R$ 14 bilhões, com R$ 1,4 bilhão de lucro líquido, com crescimento de 58,5% em relação a 2012. Entretanto, uma parte disso vem de um programa de Refis do Governo Federal, que não irá se repetir em 2014.
Marcos Eduardo Ferreira, diretor presidente da área de Auto e Danos do Grupo,  afirmou que os balanços refletem a satisfação de clientes e colaboradores com a joint venture. “Uma parcela importante do crescimento em seguro de pessoas veio do canal bancário, no seguro prestamista. No seguro de auto, o destaque foi para o crescimento de negócios com corretores de seguros, com uma política mais séria de subscrição de risco, que trouxe queda na sinistralidade de 3,1%”. O índice do mercado é de 65,4% e do Grupo BB Mapfre 58,7%.
Ferreira comemorou também a participação dos corretores na ampliação dos negócios da companhia. Segundo ele, de 1.248 novos corretores iniciaram sua produção, chegando a 20.844 corretores ativos. “Isso foi possível com a inclusão de serviços inteligentes e investimento em técnicas de vendas, consultoria para sucessão familiar e divisão comercial que se relaciona exclusivamente com corretores. Tudo sempre com a visão de que o corretor possa economizar tempo e dinheiro para fazer a sua carteira crescer”, ressaltou Ferreira.
Para enfrentar a volatilidade do mercado, a companhia voltou-se para o bom desempenho operacional. Isso abre à seguradora a possibilidade de não se apegar a reposicionamento de preços de acordo com as oscilações econômicas, garantindo mais estabilidade para o consumidor. Isso facilita a gestão técnica das carteiras, de acordo com o presidente.
A lição de casa é continuar crescendo acima da média de mercado, por mais um ano, buscando a eficiência operacional. “Para suportar o crescimento, a empresa irá para uma sede nova, com área de 22,5 mil metros, com capacidade para 2,5 mil pessoas, com data prevista para mudança no primeiro trimestre de 2015.
Ferreira disse que o Grupo irá lançar 10 produtos em 2014, nas várias carteiras em que o Grupo opera. Sem dar mais detalhes, ele informou que o foco será o investimento em produtos de vida e microsseguros para as regiões metropolitanas e áreas rurais. Ëstamos preparando também um modelo de atendimento para grandes catástrofes, que pode atuar em momentos críticos para a regulação de sinistros que afetam muitos segurados ao mesmo tempo.
Sobre o segmento de seguro rural, o presidente da área, Roberto Barroso, ratificou que também há novidades ainda para o primeiro semestre de 2014.

 

Kelly Lubiato
Revista Apólice