A Corretora Marsh realizou o estudo 2013 Cyber Risk Survey, baseado em como as empresas europeias estão lidando com os possíveis ataques cibernéticos. O levantamento mostrou que 71% dos pesquisados disseram ter aumentado sua preocupação com Risco Cibernético nos últimos 12 anos. Além disso, 54% afirmaram que sua organização havia sofrido um ataque cibernético recentemente. Enquanto 17% dos pesquisados acreditam que o impacto financeiro de um ataque cibernético poderia custar um excesso de U$5 milhões, 22% admitiram que sua organização não havia realizado um estudo de impacto financeiro dedicado ao risco cibernético. Na percepção existente do nível de maturidade desse tipo de risco em suas organizações, apenas 23% acreditam que a gestão está totalmente integrada e otimizada dentro de suas empresas.
No Brasil esse é um produto recente, mas os clientes aos quais a Marsh apresentou o seguro se mostram receptivos e interessados devido à dependência de sistemas informatizados e o grande volume de dados armazenados e manipulados em ambientes de rede/internet. “Esse é um mercado que está em fase inicial no Brasil, no entanto, ainda não há uma legislação específica para casos de vazamentos de dados ou ataques cibernéticos, mas acredito que em pouco tempo já vamos dispor de uma lei específica”, comenta o Líder de Placement de Responsabilidade Civil e Linhas Financeiras da Marsh Brasil, Maurício Bandeira.
A 2013 Cyber Risk Survey da Marsh foi lançada na Airmic Conference2013, a maior conferência da Indústria de Seguros e Gerenciamento de Riscos do Reino Unido, realizada em Londres (Inglaterra) de 10 a 12 de junho de 2013.

A.C.
Revista Apólice

Deixe uma resposta