13/08/2022

Faturamento da Cardif Capitalização cresce 40% em 2012

A Cardif Capitalização cresceu em 2012. O faturamento da empresa atingiu R$ 50 milhões, 40% a mais do que os R$ 35,6 milhões registrados em 2011. Um dos grandes motivos para este desempenho foi a quantidade de títulos emitidos: em 2011 foram gerados 66,7 milhões enquanto, no ano passado, este número alcançou 276,8 milhões, diferença que representa 315% de aumento.
“O resultado é decorrente do sucesso em cumprir com as metas programadas, especialmente aquelas voltadas às parcerias externas, feitas com empresas de diversos setores da economia. Assim, foram essenciais os acordos com o mercado de seguros, varejo e telecomunicações”, destaca Maurício Guazelli, diretor Comercial da Cardif Capitalização. “Os títulos de capitalização agregam valor aos produtos aos quais se atrelam, o que os tornam atrativos para estas áreas. Sabendo atuar com precisão, identificando necessidades e os moldando de acordo com os clientes-alvo de cada grupo, estes produtos transformam-se em ferramentas muito eficientes”, completa.
Neste sentido, destacam-se as parcerias com grandes empresas, com quem a Cardif Capitalização trabalhou títulos na modalidade de incentivo, vinculados a seguros premiados e promoções comerciais. “Iniciamos nossa expansão com estes grandes parceiros no segundo semestre de 2011. Embora seja um movimento recente, já podemos medir seu sucesso, responsável pelas grandes conquistas de 2012”, comemora o executivo.
Em 2012, a Cardif Capitalização distribuiu R$ 12 milhões em prêmios para 972 sorteados. A quantidade média de títulos contemplados foi de 81 por mês e a de títulos mensais emitidos foi de 23 milhões.
Segundo Guazelli, a meta em 2013 é reforçar e buscar novas parcerias para a Cardif Capitalização, principalmente nos setores de seguro, varejo, indústria, cartões de crédito, operadoras de telefonia e shoppings. O diretor esclarece que ainda há muito espaço para crescer e muitos nichos para explorar nestes mercados.
Além do mais, a companhia está estudando o mercado para encaixar a modalidade tradicional em suas operações. Nela, o titular tem restituído, ao final do prazo de vigência, no mínimo o valor total do investimento, desde que todos os pagamentos previstos tenham sido realizados nas datas programadas.
“Nosso objetivo é incluir a linha tradicional em nossas operações”, aponta o executivo. “Até o momento, nosso maior foco tem sido a modalidade incentivo, a primeira que começamos a trabalhar, logo no lançamento da empresa em 2010. Com ela, atuamos fortemente por meio de seguros premiáveis e com promoções comerciais. No entanto, cada vez mais estamos expandindo nossa participação pelo mercado, seja com novos produtos, seja entrando em novos setores”, conclui.

A.C.
Revista Apólice