Na última década, os prêmios de seguros comerciais em mercados emergentes cresceram em média 14% ao ano, expandindo de duas a três vezes mais rápido do que em mercados avançados (5,4%). A China cresceu 32% ao ano no mesmo período, substancialmente impulsionada pela introdução de um seguro obrigatório de responsabilidade civil de automóvel. Os dados constam no mais recente estudo Sigma, publicado pela Swiss Re nesta quarta-feira, 17 de outubro.

“O seguro comercial em mercados de alto crescimento, como a China, beneficiam não apenas uma economia em expansão, mas também aumentam a penetração, de modo que os prêmios tendem a crescer mais rápido do que a economia”, diz Kurt Karl, economista chefe da Swiss Re.

Os Estados Unidos são o maior mercado de seguros comerciais. Em 2010, os prêmios deste ramo somaram US$ 237 bilhões no país. Além do tamanho da economia, uma grande diferença entre o tamanho do mercado dos Estados Unidos e do resto do mundo são as coberturas de responsabilidade e dos trabalhadores. Fora os Estados Unidos, coberturas de compensação de responsabilidades patronais ou de trabalhadores são frequentemente nacionalizadas ou fazem parte do sistema de segurança social. O Japão, com US$ 35 bilhões em prêmios, é o segundo maior mercado de seguro comercial, enquanto a China é o terceiro maior mercado, com US$ 31 bilhões em prêmios.

De acordo com o estudo, a demanda por seguros comerciais varia muito conforme o tipo de indústria, o tamanho e a jurisdição da empresa. O seguro comercial ajuda as empresas a gerenciar seus riscos e encontrar novas formas de inovar, crescer e estabilizar os seus ganhos. O ramo foi responsável por cerca de US$ 600 bilhões de prêmios em 2010, ou 40% dos negócios globais de não-vida.

Responsabilidade civil

O estudo também destaca que o seguro de responsabilidade civil cresce em importância em todos os mercados, evoluindoem relação ao PIBe ao seguro patrimonial. Linhas de seguro de responsabilidade civil estão crescendo mais rápido do que a economia em geral.

“O crescimento do setor de serviços, que está mais exposto a riscos de responsabilidade do que o setor de fabricação, é uma das razões para a crescente importância da proteção de responsabilidade”, diz o co-autor do estudo, Thomas Holzheu.

Outras razões incluem alterações legislativas, litigiosidade crescente, maior ênfase no valor da vida, maior riqueza, interconectividade crescente e maior consciência ambiental.

Riscos de seguros de bens também estão aumentando

Em 2011, as linhas patrimoniais responderam ​​por 29% dos prêmios de seguros diretos comerciais subscritos nos EUA e por 50% do crescimento do mercado no Brasil. No entanto, na China, as linhas de patrimoniais responderam ​​por apenas 13% dos prêmios.

As catástrofes naturais são uma das principais razões para a ascensão dos riscos patrimoniais. Além disso, a globalização, o modelo de produção just-in-time, e a realocação de fábricas para mercados emergentes com altas exposições a catástrofes naturais tornaram a gestão de risco mais cara e mais complexa. Recentes catástrofes naturais de grande alcance têm destacado as potenciais magnitude e interconectividade de tais eventos.

“Os riscos de propriedade estão aumentando e sua natureza está ampliando dos danos materiais tradicionais para a interrupção de negócios (BI, na sigla em inglês) e até mesmo ao contingente de riscos menos bem entendidos de interrupção dos negócios (CBI, na sigla em inglês), que inclui interrupções de empresas fornecedoras. Entretanto, globalmente, a cobertura de seguros para CBI continua baixa”, aponta Roman Lechner, co-autor do estudo.

Revista Apólice notícias sobre resseguros no Brasil.

Jamille Niero

Revista Apólice

Deixe uma resposta