O plano odontológico pode ser um produto útil como porta de entrada em novos clientes ou como forma de “blindagem”, na qual o cliente tem dois ou mais produtos contratados com a corretora. Caso o cliente não queira mais um dos produtos, como saúde, por exemplo, ainda haverá outros (como o plano odontológico) para manter a relação.

“Não temos a pretensão de ser o carro-chefe da corretora. A nossa proposta é oferecer um benefício para agregar valor aos seus clientes”, disse Celso Martins Covo, executivo de desenvolvimento de plataformas comerciais da Odontoprev, durante encontro promovido nesta quarta-feira, 03 de outubro, pelo Clube dosCorretores de Segurosdo ABC (CCS-ABC).

Covo ressaltou o forte apelo estético do plano odontológico como atrativo para a oferta do produto. “É algo que tem impulsionado muito o mercado de odontologia nos canais de vendas que trabalhamos”, afirmou. Outro atrativo é o tíquete baixo. No caso da Odontoprev, alguns produtos empresariais (a partir de 4 vidas) custam em média R$17.

De acordo com ele, estudos indicam que o sinistro no plano de saúde tende a diminuir, com o tempo, em empresas que oferecem o benefício odontológico.

“A ideia é trabalhar com um produto que dê o mínimo de trabalho para o corretor, agregue valor e ajude quem trabalhacom benefícios eplanos de saúde”, concluiu.

Jamille Niero

Revista Apólice

Deixe uma resposta