A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos aproveita a data de Combate à Poluição, comemorada ontem (14), para divulgar os resultados do segundo Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) lançado, recentemente,  pela seguradora. O relatório tem como finalidade identificar as fontes geradoras de emissões para implantar mudanças e investir em melhorias de produtos, serviços e processos que reduzam as mesmas. A segunda edição mostra que a companhia emitiu, em 2011, um total de 27,159 toneladas de CO2. Desse volume, 2.614 toneladas de CO2 são consideradas neutras por serem decorrentes do uso de energias renováveis.

“A realização deste segundo inventário permite que a companhia visualize de maneira mais eficiente o perfil de suas emissões e seu impacto no meio ambiente, definindo as fontes emissoras mais significativas”, acentua a superintendente de Sustentabilidade Empresarial da SulAmérica, Adriana Boscov. A executiva adianta ainda que, essa edição de 2011, possibilitará traçar potenciais projetos de mitigação e propor iniciativas preventivas para os próximos anos, sendo uma importante ferramenta para a formulação de políticas empresariais.

Há alguns anos a seguradora investe em diversas ações e iniciativas que colaboram para a redução de poluentes na atmosfera. Uma delas é o programa “Imprimir pra quê?”, criado, em 2008, para estimular a diminuição no uso do papel, principal resíduo da seguradora. No mundo, a produção de papel é a quinta atividade industrial em consumo de energia e que utiliza, em média, 100 mil litros de água por tonelada de papel fabricado. A cada 50 kg de papel reciclado, uma árvore deixa de ser cortada. A iniciativa mostrou-se assertiva. Só no mês de julho, a companhia atingiu uma redução de 44% no volume de impressões, o que representa uma economia de  um milhão de páginas, ou seja, de 68 mil reais, se compararmos a julho de 2011.

Uma das principais carteiras de negócio da companhia é o seguro de automóvel. Ciente dos impactos que a emissão de CO2 causa no meio ambiente, a companhia aposta em algumas iniciativas para ajudar a diminuir seus impactos ambientais. Uma delas é o Guincho Selo Verde, um investimento da SulAmérica, que passou a utilizar o biodiesel em sua frota contratada de guinchos. A ação está alinhada ao programa do Estado do Rio de Janeiro que estimula a utilização de biocombustíveis em substituição ao diesel, com a criação do Selo Verde. De janeiro a maio deste ano 56,4% da frota de veículos segurados foi atendida pelos veículos certificados no Estado.

Outro grande projeto envolvendo o seguro de automóvel é o processo de repintura de veículo utilizando tinta à base d’água. O objetivo é tornar o momento do conserto do carro menos agressivo à natureza. A seguradora adotou a tinta à base d’água na repintura dos veículos acidentados que passam pelo Centro Automotivo de Super Atendimento (C.A.S.A.) ou nas oficinas credenciadas da seguradora em diversas regiões do Brasil. Essa tecnologia permite que 90% menos solventes sejam emitidos na atmosfera em comparação com as tintas automotivas utilizada mais comumente. Além disso, a qualidade final do trabalho reproduz, de forma fiel, a cor e a textura da pintura original executada nas montadoras. Apenas no primeiro semestre deste ano, deixaram de ser emitidas 2,9 toneladas de VOC (componente orgânico volátil).

Listada no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bovespa, desde 2009, a SulAmérica também aderiu recentemente aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI), ao Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – Iniciativa Financeira (UNEP-FI) e ao programa Organizational Stakeholder (OS) da GRI, além de apoiar projetos socioambientais em comunidades vulneráveis do Rio de Janeiro e São Paulo próximos de suas principais unidades.

 

G.F.

Revista Apólice

Deixe uma resposta