Anfitrião do evento, o presidente da CNseg, Jorge Hilário Gouveia, abriu o Seminário recordando que pela segunda vez, depois de 31 anos, o Brasil voltou a sediar o encontro do IIS, uma organização global que reúne 107 entidades em 92 países. O executivo ressaltou ainda que o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – Iniciativa Financeira (UNEP FI) escolheu o Seminário da IIS para o lançamento mundial dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros. “O mercado segurador brasileiro também vai aderir aos Princípios, por meio da CNseg, o que representará um compromisso público do nosso setor para o desenvolvimento social e econômico sustentável do nosso planeta. Para nós, um mundo mais sustentável é sinônimo de uma vida mais segura”, afirmou.

De acordo com Hilário o lançamento dos Princípios será um marco para o setor e irá fortalecer ainda mais a cultura e a disseminação do conceito da sustentabilidade no mercado mundial de seguros. “A nossa atividade vai ao encontro desse conceito, uma vez que já é da natureza do seguro atuar na prevenção e no gerenciamento de riscos. O desafio agora é amplificar as boas práticas do nosso setor, para que permeiem de forma pragmática toda a cadeia produtiva, influenciando no comportamento de consumidores, investidores, sociedade, reguladores e governo”.

Na avaliação de Michael Morrissey, presidente da IIS, a realização do 48º Seminário Anual da IIS não poderia ser em momento mais oportuno. “Nossa indústria enfrenta desafios em todo mundo. Mas visualizamos o poder da indústria de seguros no Brasil, que é o mais importante centro financeiro da América Latina. Essa é uma oportunidade de ultrapassar fronteiras para discutir sobre desenvolvimento sustentável e crescimento de economias emergentes”.

Segundo Luciano Santanna, superintendente da Susep, foi uma feliz coincidência a realização do Seminário durante a Rio+20. “Teremos a adesão aos Princípios de Sustentabilidade em Seguros. Há um consenso de que a proteção ao meio ambiente é necessária para a humanidade, mas é preciso salientar que desenvolvimento sustentável representa também respeito à dignidade do ser humano. É preciso haver um equilíbrio entre ambos”.

Bruno Sobral, diretor da área de Desenvolvimento da ANS, destacou que a indústria de saúde está baseada regulamentação de boas práticas. “Estamos comprometidos com a transparência e isso se reflete na nossa agenda para os próximos dois anos que irá permitir ao setor compreender melhor as necessidades dos nossos consumidores”.

Na opinião de Dyogo Henrique de Oliveira, representante da área de Seguros do Ministério da Fazenda, é grande a confiança no crescimento econômico do Brasil e, conseqüentemente no mercado de seguros. “A economia brasileira apresenta perspectivas positivas. A média histórica de crescimento nos últimos 100 anos foi de 4,8%. E há condições para que esse crescimento ocorra, temos uma economia estabilizada e a inflação sob controle. Tudo isso representa um cenário próspero para o mercado segurador”, afirmou.

Representando o governador Sergio Cabral, o secretario de Desenvolvimento Econômico, Julio Bueno esclareceu que o estado do Rio tem o segundo maior PIB do país e é o maior produtor de petróleo do Brasil. “Somos um excelente mercado para a área de seguros. Nos próximos anos teremos importantes eventos internacionais como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Tudo isso favorece o mercado segurador”.

O primeiro dia do evento levou a pauta diversos assuntos de interesse do setor, entre eles a sustentabilidade. O PhD, professor na Faculdade de Administração da Universidade de Tel Aviv e primeiro Decano da Escola Acadêmica de Seguros de Israel, Yehuda Kahane, foi o palestrante do painel “O Impacto do Social, Econômico e Ambiental nas Crises do Seguro”. Kahane apontou para as mudanças demográficas, econômicas e de padrão de consumo que o mundo vive hoje. “O modelo de crescimento pode ser comparado a um bastão de hockey”, pontuou o palestrante.

Para Kahane o mundo chegou a um ponto de esgotamento do modelo atual e para dar continuidade a espécie humana é preciso quebrar paradigmas. Segundo ele, o setor de seguros é muito importante nesse processo, pois atua no gerenciamento de riscos. “As seguradoras não podem ficar só no escritório sustentável, têm que investir. Nesse momento não deixar pegadas não é o suficiente. Precisa ter atividades positivas para limpar o meio ambiente”, endossou.

“Em 1992, tivemos uma conferência aqui no Rio, a Eco 92, esse foi o primeiro diálogo sobre essas questões. Vinte anos depois, muitas conversas e discursos aconteceram, mas as ações foram poucas”, explicou o professor.

Segundo Kahane essa é a ultima década que suportamos esse modelo de gestão. “A Terra sobreviverá, mas nós, seres humanos, seremos extintos. Vocês estão ouvindo os alarmes?”, indagou. A globalização também foi apontada como fator de risco e preocupação. “O que uma pessoa faz no Japão nos atinge aqui no Rio”, disse.

Para o professor, precisamos de um novo modelo de gestão para dar conta dos desenhos e necessidades dos indivíduos. “A única maneira de lidar com essa situação é atrelar o crescimento à questão do meio ambiente. Você pode encontrar uma maneira de colocar os países pobres e limpos para se transformarem em países ricos e limpos”, enfatizou.

“Se cada um de nós nos comportarmos como um país desenvolvido precisaríamos de cinco planetas”, exemplificou. Para Kahane, temos que descobrir como enfrentar esse problema, não como entramos nele. Ilustrando a situação, o professor citou um provérbio chinês: “O melhor momento para plantar uma árvore é há 20 anos atrás. O segundo melhor é hoje”, disse explicando que o primeiro momento a humanidade já perdeu e é preciso aproveitar agora o segundo.

Hoje existem três pontos de vista para o problema ambiental: os céticos (que acham que é tudo invenção), os que não se envolvem (acreditam que o problema existe, mas a responsabilidade não é dele – é do governo, dos ricos) e os que se preocupam (enxergam o problema e se comprometem com soluções).

O 48.º Seminário Anual da IIS acontece até quarta-feira (20).

 

G.F.

Revista Apólice

Deixe uma resposta