Ocorreu na sexta-feira, 22 de junho, a entrega do Prêmio Peon de Sá aos cinco primeiros colocados. O Prêmio é uma parceria da Escola Superior Nacional de Seguros (ESNS) e do Instituto Brasileiro de Atuária (IBA) em prol do desenvolvimento e da promoção do conhecimento do estudo atuarial no Brasil.

Direcionado aos atuários e aos estudantes dos cursos de graduação em Ciências Atuariais (associados ao IBA), o tema do concurso foi livre, mas voltado à ciência atuarial. O concurso teve 18 trabalhos inscritos.

A entrega do prêmio foi feita pelo próprio José Américo Peón de Sá, presidente do Conselho de Administração da CesceBrasil e Conselheiro da CNseg, durante o 9º Congresso Brasileiro e Pan-americano de Atuária, que aconteceu no Espaço Vila Noah, em São Paulo.

O nome do concurso é uma homenagem ao pioneirismo do atuário José Américo Peón de Sá, um dos mais experientes executivos do mercado de seguros.

Os cinco autores vencedores foram automaticamente inscritos no 9º Congresso Brasileiro e Pan-americano de Atuária. Além da premiação, em dinheiro, eles poderão ter seus trabalhos publicados pela Escola Nacional de Seguros.

Entre os premiados estava o projeto do gerente do departamento atuarial da Berkley Brasil, Ricardo Estevam Cipriano dos Santos, que foi classificado em 5° lugar. Intitulado “Cálculo da provisão de insuficiência de contribuições utilizando modelos de análise de sobrevivência”, a ideia do trabalho era criar um modelo que estimasse estatisticamente a permanência dos clientes em planos de previdência. “Já apliquei o modelo em duas empresas do mercado no cálculo da provisão de insuficiência de contribuições e provisão de despesas administrativas. Além dessas provisões, utilizei para simular a curva do passivo de planos de previdência no estudo de Asset Liability Management (ALM)”, informou Santos.

Segundo ele, como metodologia foram utilizados modelos de análise de sobrevivência, uma linha da estatística que estuda o tempo de sobrevida, muito utilizada na área da saúde em testes de eficiência de medicamentos. O benefício do projeto premiado está ligado à adequação das provisões constituídas de acordo com o comportamento de permanência dos clientes em planos de previdência.

Santos é graduado em Ciências Atuariais pela PUC-SP e pós-graduado em Estatística pela Uninove.

A seguradora novata Essor também teve um de seus atuários entre os premiados. Com um estudo sob o tema “Resseguro com Ênfase na Precificação dos Contratos em Excesso de Danos Utilizando o Método de Taxação por Experiência”, a atuária Dafne Coutinho Santos foi a segunda colocada no concurso nacional Prêmio Peon de Sá. O projeto inscrito por Dafne foi baseado em bibliografias internacionais. “Meu objetivo foi apresentar um panorama do segmento de forma clara e objetiva para atuários que não  atuam no segmento de resseguro, uma vez que trata de um tema pouco abordado no Brasil”, explicou a atuária.

Formada em Ciências Atuariais pela UERJ e pós-graduanda em Engenharia de Produção pela UFF, Dafne integra a equipe da Essor desde 2011.  O trabalho da atuária na Essor consiste em preparar todos os estudos técnicos dos produtos comercializados pela seguradora, validar os cálculos das provisões técnicas, análises de resseguro e demais demandas atuariais.

Para conhecer os demais trabalhos vencedores, acesse: http://www.funenseg.com.br/pesquisa/concursos.php.

J.N.

Revista Apólice

Deixe uma resposta