Após as catástrofes graves e prolíficas vivenciadas globalmente em 2011, as organizações podem se basear nesses acontecimentos e reduzir o impacto negativo de futuros sinistros em seus balanços. De acordo com o novo relatório publicado pela Marsh, a escala das catástrofes vivenciadas em 2011 ultrapassou previsões anteriores de perdas e desafiou o pensamento estabelecido sobre a natureza do risco. O relatório diz que, após 2011, as empresas precisam rever suas estratégias de gerenciamento de risco e introduzir novas metodologias para fortalecer sua capacidade de resistência financeira e operacional.

Intitulado Lessons Learned from the Catastrophes of 2011, o estudo identifica cinco grandes temas relacionados a riscos e seguros decorrentes dos sinistros ocorridos em 2011, dentre eles: proibição de acesso, greve, motim, comoção civil ou terrorismo; diferenças entre danos por inundação ou tempestade; planos de continuidade de negócios e cláusulas de notificação de seguros de 72 horas.

De acordo com a Marsh, as catástrofes ocorridas em 2011 levantaram preocupações em torno da adequação normativa para a cobertura habitual de proibição de acesso, normalmente aplicada para incidentes a curto prazo. Também destaca a importância crescente para as empresas do Plano de Continuidade de Negócios (Contingent Business Interuption), especialmente em decorrência das falhas na cadeia de abastecimento que sucedeu o terremoto/tsunami no Japão e as inundações na Tailândia.

“Os riscos associados às catástrofes de 2011 são amplamente conhecidos, mas, sua imensa dimensão e complexidade, em conjunto com a devastação que causaram, foram sem precedentes. Esses acontecimentos não só expuseram deficiências nas estratégias de risco de muitas organizações em todo o mundo, como também desafiaram a indústria de seguros a desenvolver cláusulas de apólice mais receptivas a esta rápida evolução do cenário de risco”, diz David Pigot, presidente global de sinistros da Marsh.

“As organizações precisam explorar todas as medidas necessárias para proteger seus funcionários, ativos físicos e balanços. Ao aprender as lições dos acontecimentos passados, as empresas poderão reduzir a probabilidade e o impacto de futuras perdas e minimizar seus sinistros de seguros”, complementa.

Segundo o executivo, embora nem todos os danos e perdas econômicas sejam segurados, tivemos uma resposta significativa por parte dos gerentes de risco com relação aos acontecimentos de 2011. Em geral a indústria de seguros tem demonstrado seu valor e desempenhou seu papel no processo de regeneração de clientes e comunidades afetados.

 

G.F.

Revista Apólice

Deixe uma resposta