O mercado de previdência privada fechou o primeiro trimestre de 2011 com arrecadação de R$ 11,7 bilhões, consolidando crescimento de 16,62% na comparação com o mesmo período do ano anterior. O número de contatos de planos de previdência privada aberta cresceu 2% no primeiro trimestre e saltou de 10,3 milhões para 10,5 milhões. O sistema contabiliza atualmente 96,8 mil participantes já recebendo benefícios. Os dados são da Fenaprevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida), que reúne 64 sociedades seguradoras e 15 entidades abertas de previdência complementar no país.
Segundo Marco Antônio Rossi, presidente da entidade, o aumento da renda do brasileiro e a chegada de novos consumidores na classe C são fatores que têm garantido a ascensão da previdência privada aberta. “A transformação cultural que está acontecendo no Brasil não ocorre somente nos hábitos de consumo. Com o aumento da renda média da população cresce também o número de pessoas com condições de experimentar e buscar nos planos de previdência formação de uma poupança de longo prazo. Ao mesmo tempo as seguradoras estão desenvolvendo produtos flexíveis para atender esta nova demanda?, analisa.
No primeiro trimestre, o produto VGBL arrecadou R$ 9,3 bilhões com crescimento de 18,91%. O produto é indicado ao investidor que não declara imposto de renda pessoa física pelo modelo completo de declaração anual de ajustes.
A arrecadação dos planos PGBL’s cresceu 20,66% no período e movimentou R$ 1,5 bilhão. Estes planos são voltados para quem utiliza o modelo completo da declaração anual de ajustes do imposto de renda pessoa física. Já os planos tradicionais totalizaram aportes no valor R$ 799,5 milhões no período. Outros produtos de previdência (FAPI, PGRP e VGRP) arrecadaram R$ 3,6 milhões.
Os dados da Fenaprevi mostram que, no trimestre, em planos individuais foram efetuados aportes no valor de R$ 9,9 bilhões, apresentando um crescimento de 19,33% na comparação aos R$ 8,3 bilhões arrecadados no trimestre de 2010. Os planos para menores, por sua vez, tiveram alta de 18,12% e arrecadação de R$ 394,5 milhões. Já os aportes para os planos empresariais registraram R$ 1,4 bilhão, alta de 0,61%.

Resultado mensal
No mês de março de 2011, o mercado de previdência privada aberta arrecadou R$ 4 bilhões, alta de 3,25% na comparação aos R$ 3,9 bilhões no mesmo mês do ano anterior. No resultado mensal por segmento o destaque ficou por conta dos planos para menores que cresceram 10,10% e arrecadaram R$ 138,1 milhões em relação ao mesmo mês de 2010. Os planos individuais, por sua vez tiveram alta de 7,15% com aportes de R$ 3,4 bilhões. Os planos empresariais arrecadaram R$ 470,2 milhões no período.
Já o produto VGBL obteve arrecadação de R$ 3,2 bilhões com crescimento de 5,23% no período. E o volume de contribuições do PGBL registrou R$ 543,2 milhões no mês, alta de 8,07%. Os aportes aos planos tradicionais registraram R$ 277,2 milhões no período. Os outros produtos de previdência (FAPI, PGRP e VGRP) arrecadaram R$ 1,3 milhão no período, com inflexão de – 6,62%.

Ranking
A Bradesco Vida e Previdência liderou o ranking de arrecadação no primeiro trimestre de 2011, com 28,23% do total arrecadado; a BrasilPrev (27,73%); Itaú Vida e Previdência (21,86%); Caixa Vida & Previdência (7,35%); Santander Seguros (5,22%); HSBC Vida e Prev (3,96%); Icatu Seguros (0,86%); Sul América Seg e Prev (0,86%); Porto Seguro Vida e Previdência (0,57%); e Safra Vida e Prev. (0,54%). As demais entidades somam, no total, 2,83% da arrecadação.

A.B.
Revista Apólice

Deixe uma resposta