O presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (Sincor-RJ), Henrique Brandão, criticou, ontem, o aumento do preço médio dos seguros de automóveis no estado. Segundo ele, não há justificativa técnica para essa majoração. Os índices de recuperação de veículos roubados vêm crescendo. A Lei Seca reduziu o número de acidentes e, consequentemente, os valores das indenizações pagas pelas seguradoras por danos aos veículos. A sinistralidade também ficou menor. Então, qual o motivo para o ajuste nos preços?, questionou.
Segundo ele, há um ano, o sindicato fez um acordo com as seguradoras Porto Seguro, SulAmérica e Bradesco para que não houvesse reajuste dos preços dos seguros de veículos na Baixada Fluminense. Naquela ocasião, revela o presidente do Sincor, o resultado foi o aumento expressivo da demanda, com excelentes resultados para essas seguradoras.
Para Henrique Brandão, esse movimento deveria ser seguido por todo o mercado em diferentes áreas, inclusive as mais carentes, que estariam sendo mais afetadas pelo aumento no preço do seguro.
Quando criaram o questionário para melhor definir o perfil do segurado, as seguradoras prometeram utilizar essa ferramenta para aprimorar e tornar mais justo o processo de cálculo do preço do seguro. Mas, o que se vê hoje é a discriminação contra as regiões mais pobres e seus moradores, muitos dos quais são ótimos segurados, criticou.
Ontem, o Sincor-RJ realizou homenagem especial às corretoras de seguros, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher (08 de março).

Jornal do Commercio-RJ

Deixe uma resposta