Entre janeiro e novembro de 2017, as empresas que comercializam títulos de capitalização distribuíram R$ 1 bilhão em sorteios, o equivalente ao pagamento de R$ 4,4 milhões por dia útil a clientes sorteados de todo o país. É o que afirma um levantamento feito pela Federação Nacional de Capitalização (FenaCap).

Ainda segundo a Federação, o segmento registrou uma receita de R$ 18,6 bilhões, montante ligeiramente inferior ao registrado entre janeiro e novembro de 2016, quando a receita global alcançou R$ 18,9 bilhões. “O resultado reflete a melhoria de alguns indicadores econômicos verificada no segundo semestre de 2017”, diz Marco Barros, presidente da entidade.

Segundo ele, no mesmo período, o setor injetou na economia R$ 16,3 bilhões em resgates finais e antecipados pagos a clientes. “Esse montante foi 8,7% menor, se comparado a janeiro e novembro de 2016, confirmando tendência já identificada de que os consumidores estão mais cautelosos, adiando planos de consumo e mantendo suas economias guardadas por mais tempo”, afirma. Já as reservas técnicas – recursos correspondentes a títulos de capitalização ativos e que serão posteriormente resgatados – somaram R$ 28,9 bilhões, registrando um pequeno recuo de 1,8%.

Modalidade de Incentivo cresce 30,2%

A modalidade Tradicional registrou a maior representatividade no setor, com faturamento de R$ 15,6 bilhões, sendo responsável por 84,1% do resultado global do setor, apresentando queda de 3% na comparação dos períodos em análise. Dessa modalidade faz parte o título para Garantia Locatícia, que arrecadou R$ 1,18 bilhão, um avanço de 19,2%, respondendo por 7,53% da receita total dos títulos de capitalização da categoria Tradicional.

A modalidade de Incentivo arrecadou R$ 1,9 bilhão, registrando crescimento de 30,2% em comparação a igual intervalo do ano anterior, obtendo o melhor desempenho entre as modalidades em comercialização. Já a modalidade Popular, de baixo valor, arrecadou R$ 990,9 milhões, representando 5,33% do resultado global do segmento.

Centro-Oeste continua em destaque

Pela terceira vez consecutiva, a região Centro-Oeste foi a que apresentou desempenho mais positivo no período, com crescimento de 6,45% no faturamento, que atingiu R$1,46 bilhão. A Região também registrou o maior índice de crescimento em relação a prêmios pagos: 34,18% em relação ao mesmo período do ano passado, correspondendo ao pagamento de R$ 80 milhões em sorteios.

L.S.
Revista Apólice