Por: Cristiano Saab*

Cristiano_SaabÉ o sexto ano que a Seguros SURA participa da NRF Retail’s Big Show, feira que é considerada uma das principais vitrines de inovação do varejo mundial, e que nesse ano foi realizada entre os dias 14 e 16 de janeiro em Nova Iorque, nos Estados Unidos. A cada edição sempre há um ou mais temas e conceitos que acabam por se destacar no evento e marcar o ano. Nesse sentido, essa edição não foi diferente. Todos os fóruns da feira, de uma forma ou de outra, abordaram alguns conceitos que valem ser destacados para uma reflexão mais atenta e cuidadosa, seja de quem é um profissional do varejo, seja do consumidor ou até mesmo de profissionais de qualquer outro ramo de atividade, uma vez que refletem tendências comportamentais, que já se mostram potencialmente impactantes nas relações sociais e comerciais como: o Imediatismo que tem regido as relações de consumo, o conceito de Atrito Zero nos processos de compra, o fortalecimento da tendência de globalização de empresas por meio de Cross Border, o uso das mais diversas ferramentas de Pagamentos Móveis e as tão comentadas Criptomoedas. Todos esses temas separados já são motivos de boas discussões, juntos podem provocar uma grande transformação.

Muito se falou do perfil do consumidor atual e em características como falta de paciência e crescente necessidade de resolver tudo, literalmente, na palma da mão: da sua locomoção à alimentação, passando por uma infinidade de outros serviços, comportamentos que se intensificam com o uso cada vez mais generalizado da tecnologia. Numa linha contínua, podemos aliar ao sentimento de Imediatismo, o Atrito Zero, em que o consumidor faz suas compras de maneira autônoma e, da mesma forma, realiza o pagamento. Esses temas compõem o amplo painel das mudanças nas relações de consumo que todas as empresas devem estar atentas.

A Amazon, por exemplo, anunciou no ano passado a loja Amazon Go, um supermercado sem caixas nem filas, em que ao passar pela saída da loja, todos os itens escolhidos pelo consumidor são automaticamente escaneados, sem que haja a necessidade do cliente passar por um caixa, pegar sua carteira e efetuar o pagamento da forma convencional. Da mesma forma, movidos pelas inovações tecnológicas e motivados pelas exigências dos consumidores, os meios de pagamento on e offline seguem a tendência de mobilidade.

O Cross Border, atuação de empresas em países onde não possuem loja física, exclusivamente por meio digital, também foi tema recorrente na NRF 2018 e muito bem detalhado em diversos paineis. Aqui no Brasil, inclusive, há exemplos como o caso de brasileiros que fazem compra na Macys de Nova Iorque e recebem os produtos em casa, pagando por isso o devido imposto – muito embora empreendedores brasileiros ainda tenham melhorias a realizar em questões regulatórias.

Por fim, as criptomoedas ou cybermoedas, entre elas a mais famosa, a Bitcoin, foram mencionadas em muitos fóruns, mas, posicionando-se muito mais como tendência disruptiva e menos como um movimento consistente do varejo de curtíssimo prazo.

A verdade é que, nesse momento, não importa muito em que nível de maturidade está cada um desses conceitos, o que realmente importa é não subestimá-los ou muito menos ignorá-los. Alguns são tendências do mercado, outros já são respostas a tendências de anos anteriores. O fato é que o ciclo virtuoso da evolução é permanente e cada vez mais rápido. É um risco não acompanhar a agilidade em que acontecem ou ignorar as mudanças comportamentais estas tendências estão gerando em todas as esferas da sociedade e principalmente do consumo. Praticamente todos os setores do mercado serão – ou já estão sendo – afetados por estas mudanças mesmo que indiretamente. Por isso, mais do que estar atento e próximo às tendências sociais e tecnológicas, é necessário saber identificá-las e, principalmente, aproveitá-las.

Vale a reflexão: você ou sua empresa/negócio está apto a isso?

 

*Cristiano Saab é diretor geral de Vendas, Canais e Subscrição da Seguros SURA Brasil

K.L.
Revista Apólice