Veja quais são as prioridades em TI no mercado de seguros

cibernética TI

Celent apresenta dois relatórios com as perspectivas do CIO sobre prioridades de investimento em TI nas indústrias de seguros gerais, de Vida e Saúde. Esses relatórios foram preparados por Juan Mazzini, analista sênior da prática de seguros da Celent, analisando as informações fornecidas pelos CIOs com responsabilidades em 47 seguradoras na Argentina, a Bolívia, o Brasil, a Colômbia, o Chile, o Equador, No Salvador, o México, a Nicarágua, o Panamá , o Peru, o Porto Rico, a República Dominicana, o Uruguai e a Venezuela.

Os principais objetivos que impulsionam os planos de tecnologia das seguradoras na América Latina em 2017 são: otimização de processos, inovação, crescimento e retenção.

Em 2017, a atividade se concentrou em projetos de TI relacionados a iniciativas de transformação digital, substituição ou modernização dos sistemas centrais e inovação. O investimento médio das seguradoras em TI será o equivalente a 2,7% do prêmio. No entanto, há um grupo representado por o 20% das seguradoras que procuram investir um 4% ou mais.

As seguradoras da America Latina investem 38% em software e serviços externos e um 31% em capital humano. Elas também reconhecem que em relação ao recrutamento, é cada vez mais difícil acessar ao capital humano e esperam que isso se torne mais complexo nos próximos dois anos.

Os relatórios também mostram que há diferenças entre prioridades e investimento em TI, conforme se análise as seguradoras que operam nos segmentos de Seguros Gerais e aqueles que operam nos segmentos de Vida e da Saúde.

“As prioridades de TI variam de seguradora a seguradora, impulsionada pela situação atual, a estratégia e o orçamento de TI que podem investir num ano”, diz Mazzini. “As perspectivas para a economia ou a inflação pode afetar a implementação das estratégias de alguns países. Nos segmentos das seguradoras de Vida e Saúde, o investimento atingirá os US $ 3,5 bilhões no final de 2019, enquanto que para o Seguro Geral será de US $ 6,6 bilhões na mesma data”.

A.C.
Revista Apólice

Adicionar novo comentário

 

NEWSLETTER