Cresce procura por seguro para academias e atividades fitness

fitness

A SulAmérica registrou um aumento na carteira de clientes do SulAmérica Empresarial Academias. Nos primeiros cinco meses do ano, o crescimento foi de 16% em comparação com o mesmo período do ano passado. A aceitação de atividades fitness como institutos de pilates, centros de dança, academias de luta e boxes de crossfit contribuiu para o crescimento.

“As tendências apontam uma diversificação cada vez maior de empresas voltadas às atividades físicas. Ao modelo de academia tradicional, somam-se outras atividades do ramo fitness que vêm conquistando adeptos e têm necessidades específicas de proteção, como o crossfit. O produto atende às necessidades específicas desse grupo”, afirma o vice-presidente de Auto e Massificados, Eduardo Dal Ri.

O executivo explica que o produto foi criado para atender um mercado com grande potencial de crescimento e diversificação, tendo em vista os inúmeros modelos de serviços oferecidos pelo mercado fitness aos seus clientes. “Mesmo as academias tradicionais hoje muitas vezes oferecem atividades externas, para as quais também oferecemos cobertura”, pontua.

Entre os eventos contemplados na cobertura adicional de Responsabilidade Civil, específica para o segmento, estão amparados os danos causados aos alunos durante corridas, trilhas, rapel e outras atividades que sejam organizadas pelo estabelecimento, dentro e fora dele.

Além da cobertura básica que protege o estabelecimento nos casos de incêndio, queda de raios, explosão, queda de aeronaves e fumaça, o produto Empresarial Academias oferece a possibilidade de contratar garantias adicionais para danos diversos, como roubo e furto de bens de alunos em guarda-volumes da academia, proteção em caso de quebra dos aparelhos, despesas para contratação de funcionário temporário, quebra de vidros e espelhos, entre outras.

Entre os maiores

O Brasil é o segundo mercado de academias do mundo, com cerca de 32 mil unidades conforme levantamento da IHRSA, entidade internacional do setor. O País fica atrás apenas dos EUA em estabelecimentos e ocupa a oitava colocação em número de alunos, com 8 milhões de matriculados. No País, o setor movimenta cerca de R$ 2 bilhões ao ano.

L.S.
Revista Apólice

One Comment - Escreva um comentário

  1. Segmento muito promissor, sem dúvida, contudo além das garantias básicas de incêndio, raio, explosão, roubo/furto de equipamentos esportivos e do próprio aluno (sem cobertura para roubo/furto simples, apenas na modalidade qualificada e caberá a vítima comprovar a propriedade dos bens móveis subtraídos) a seguradora podera solicitar a instalação de câmeras de segurança e um controle mais efetivo de quem entra e sai do estabelecimento, hipótese na qual aplica-se a tese de agravamento de risco. No caso da garantia de RC para eventos externos, cabe observar a responsabilidade criminal do profissional que irá acompanhar o grupo, cuja responsabilidade assemelha-se ao Agente Garantidor descrito no art.13 p. II do CP, e por conseguinte a academia. Outro aspecto a salientar é a exigência de exames médicos periódicos em seus alunos, pois caso ocorra um óbito dentro do estabelecimento e a sua avaliação médica não estiver em dia, tal fato poderá ensejar falta de cobertura técnica. Eu diria que é um ramo atraente, sem dúvida, mas há uma série de nuances que deverão ser muito bem observadas e não há histórico atuarial capaz de traduzir todos os riscos envolvidos em uma correta tarifação.

    Responder

Adicionar novo comentário

 

NEWSLETTER