Avós podem colaborar na educação financeira de netos

educação

Os avós que pretendem presentear os netos com opções de investimento para o futuro das crianças contam com outras opções financeiras além da tradicional caderneta de poupança. O pagamento de um plano de previdência complementar já é uma realidade para muitos avós que querem dar uma ajuda concreta para os planos futuros e ir além dos mimos e da atenção cotidiana.

No entanto, essa ferramenta pode ser empregada para a educação financeira das novas gerações. Ao invés de destinar o resgate para os estudos em uma universidade ou em um intercâmbio, os jovens podem ser estimulados a contribuir com os planos recebidos de presente assim que ingressarem no mercado de trabalho. “Com essa prática, os jovens já poderão experimentar desde cedo a importância de destinar uma parte do dinheiro que recebem para o futuro, com a chance de incrementar o saldo já recebido e poupado pelos avós”, diz Maristela Gorayb, diretora de Vida Resgatável e Previdência da Mapfre.

Esse estímulo será cada vez mais importante nas próximas décadas, que contarão com índices cada vez maiores de longevidade. Além disso, as reformas na previdência social e as mudanças no sistema trabalhista deverão afetar um grande contingente e mudar as dinâmicas de trabalho em um futuro próximo. Assim, a educação financeira já fará parte da infância de uma geração, o que poderá facilitar sua relação com o dinheiro e o conforto que ele pode lhe proporcionar com a utilização responsável de seus recursos.

Para acumular valores, é possível aderir a planos com pequenas contribuições mensais que podem render um capital superior a R$ 100 mil a um jovem de 21 anos ao entrar no mercado de trabalho. A tabela abaixo mostra alguns exemplos de rendimento.

tabela Mapfre

Opções

Os planos são oferecidos nas modalidades PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livre) e VGBL (Vida Geradora de Benefícios Livres). A escolha do produto que melhor atende à situação tributária do cliente está vinculada ao tipo de Declaração de Imposto de Renda feita por ele.

No PGBL, as contribuições terão direito ao incentivo fiscal de dedução da base de cálculo do Imposto de Renda, limitado a 12% da renda bruta anual. Quando for efetuado o resgate do saldo e /ou o recebimento do benefício de aposentadoria, o valor total recebido (contribuições + rendimentos) terá incidência de IR retido na fonte, de acordo com o regime tributário escolhido na adesão ao Plano. Portanto, para quem utiliza o modelo completo na Declaração de Imposto de Renda e pretende contribuir até 12% da sua Renda Bruta Anual, o produto mais indicado é o PGBL.

Já no VGBL, as contribuições não terão direito ao incentivo de dedução da base de cálculo do IR. Quando efetuado o resgate do saldo e/ou recebimento do benefício de aposentadoria, somente os rendimentos (juros) sofrerão a incidência do IR, conforme o regime tributário escolhido pelo cliente. Portanto, para você que utiliza o modelo simplificado na Declaração de Imposto de Renda o produto mais indicado é o VGBL.

L.S.
Revista Apólice

Adicionar novo comentário