Motofretistas

Quando o assunto é seguro, o primeiro pensamento sobre o tema envolve o risco relacionado ao que será segurado. Na teoria, quanto maior o risco de dano, de acidente ou de morte, maior o custo do seguro. Assim, muitas seguradoras “recusam” trabalhar com determinados grupos de profissionais, entre eles os motofretistas. Como lidar com o risco enfrentado por eles, que ganham a vida nas ruas e no trânsito das cidades?

A American Life lembra que são justamente esses nichos que merecem atenção. “Trabalhamos para oferecer seguros a essas pessoas, que normalmente estão descobertas pela concorrência e que carecem de atenção, com um bom atendimento e preços que cabem no bolso”, explica o CEO da companhia, Pedro Pereira de Freitas.

Em 2003, a empresa criou um seguro de acidentes pessoais destinado aos motoboys. Em respeito aos parâmetros legais que regulamentam a atividade no País, as empresas de motofrete podem garantir, de forma acessível, mais proteção aos colaboradores com coberturas diferenciadas e benefícios exclusivos.

“Assim, as empresas ganham inclusive em segurança, proteção e confiabilidade por parte dos motoqueiros”, avalia Freitas.

Hoje, são mais de 10 mil profissionais segurados pelo produto, que prevê cobertura em casos de morte acidental do titular com carteira assinada ou autônomo durante o exercício do trabalho, com beneficiários recebendo indenização aproximada de R$ 22,5 mil; cobertura por invalidez permanente total ou parcial por acidente do titular, com indenização de até R$ 25 mil, caso o acidente tenha ocorrido durante o trabalho; além de auxílio funeral ao titular, com reembolso das despesas relacionadas ao velório e sepultamento do segurado no valor até R$ 2,5 mil.

“Esses profissionais levam uma vida sacrificada. O trabalho nas ruas das cidades, especialmente no trânsito, não é fácil. Oferecer um seguro neste modelo traz benefícios importantes a eles”, afirma o executivo, que conta ainda que os valores pagos pela seguradora em indenizações relacionadas ao produto trouxeram um alívio financeiro no momento mais marcante de algumas famílias brasileiras.

L.S.
Revista Apólice

Deixe uma resposta