Fátima Lima CNseg 1

Em todo o mundo, cada vez mais organizações estão percebendo a importância de considerar os riscos ambientais, sociais e de governança (ASG) em suas decisões estratégicas. No setor de seguros, cujo negócio é gerenciar e assumir riscos, esse posicionamento ganha mais importância diante dos principais desafios globais em termos de impacto, divulgados no início deste ano durante o Fórum Econômico Mundial. Dentre eles, destacam-se as crises no abastecimento de água e de alimentos; a falha de adaptação dos países às mudanças climáticas; e as catástrofes naturais.
Somente no primeiro semestre de 2015, o mundo registrou perdas econômicas de US$ 35 bilhões resultantes de catástrofes naturais. Desse valor, as seguradoras pagaram US$ 12 bilhões em indenizações por contratos que tinham cobertura para eventos climáticos. Esses dados, da resseguradora Munich Re, mostram a vulnerabilidade de países emergentes e em desenvolvimento em relação às catástrofes naturais.
Segundo estudo publicado em junho na revista médica britânica The Lancet, o número de pessoas expostas a inundações, secas, ondas de calor e eventos extremos associados às mudanças climáticas será muito maior do que se imaginava nas próximas décadas.
Esses estudos mostram que as externalidades são cada vez mais recorrentes e significativas para os negócios. Por essa abordagem, as empresas mais bem-sucedidas são aquelas que buscam incorporar as questões ASG como forma de gerar valor para os negócios e stakeholders. Isso porque os temas ligados à sustentabilidade são essenciais para a perenidade dos negócios e permitem entender a cadeia de valor de ponta a ponta.
E eles não precisam ser excludentes ou engessar os negócios. Devem complementar a análise tradicional de riscos, incorporando novos aspectos ligados às demandas atuais da sociedade. Assim, é possível garantir uma visão sistêmica do negócio e um conhecimento maior dos impactos a longo prazo.

 

*Fátima Lima é executiva de Sustentabilidade do Grupo BB Mapfre, presidente da Comissão de Sustentabilidade da CNSeg, integrante da Rede Brasileira do Pacto Global e membro do board mundial do PSI, da ONU

Deixe uma resposta